Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

21 de maio de 2018

Inezita: marvada pinga, marvada vodca


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/marvada


Uma das minhas criações mais inusitadas, mas que mais esperei pra fazer. A descrição do vídeo no meu canal Eslavo (YouTube) está toda em russo, por isso aqui no blog estou a repostando traduzida, com mais algumas informações que acrescentei. Esta célebre “moda de viola” foi eternizada na voz de Inezita Barroso, sob o título Marvada pinga, embora muitos outros também tenham gravado, sob outros nomes. A um russo, o nome mais famoso não passaria de uma “Злая водка” (Zlaia vodka), mais literalmente uma Vodca maldosa. Ambas as bebidas destiladas ocupam o mesmo lugar nas respectivas culturas.

Na Rússia deve-se aprender que a pinga, também conhecida como “cachaça”, “caninha” e “aguardente”, entre outros nomes, não é feita de cereais, mas da cana de açúcar. É uma planta cultivada em sua maioria no estado de São Paulo, lugar onde justamente mais se bebe pinga no Brasil e onde foi composta nossa referida canção. Outro nome com que é conhecida é Moda da pinga, a um russo Canção sobre a vodca. Mas tendo sido composta por Ochelsis Laureano, foi gravada pela primeira vez por Raul Torres em 1937, em faixa chamada Festança no Tietê. A versão mais famosa viria na voz de Inezita em 1954, e a partir daí surgiram as inúmeras regravações.

Nesta filmagem, Inezita Barroso está cantando na edição de 19 de fevereiro de 1982 do programa Viola Minha Viola, o qual ela mesma apresentou de 1980 a 2015, ano de sua morte. Mas eu mesmo não sei quem estava apresentando nesse dia, e o vídeo sem legendas é uma versão abreviada e melhorada de uma outra gravação disponível no YouTube. Eu mesmo traduzi “literalmente” (as aspas se devem às inquebráveis barreiras regionais!) o texto da música do português “caipira” pro russo padrão e pus as legendas.

Vocês devem imaginar que não é fácil levar a cabo tal iniciativa transcultural, tentando passar aos russos ou aos falantes da língua russa uma noção do estilo sertanejo de raiz, sua linguagem e sua temática. Pra mim, o que facilitou foi o fato de eu viver desde os seis anos de idade no interior de São Paulo, por isso estou bastante familiarizado com o jeito como o pessoal fala “no sítio”. Mas muitas palavras do próprio poema me eram desconhecidas, seja por diferença regional, seja pelo modo muito peculiar de dicção. Nem preciso reproduzir de novo a letra em português, tão conhecida por muitos, embora eu lhe tenha dado uma redação mais “decente” no YouTube.

Portanto, seguem abaixo apenas o vídeo legendado e a transcrição do texto em russo. Pra quem está aprendendo uma língua estrangeira, sugiro que faça com frequência esses exercícios de versão (da língua materna pra língua estrangeira), porque nos ajudam a pesquisar sobre os “modos de dizer” em outros idiomas, já que o palavra por palavra é sempre impossível. As canções têm a vantagem de ser textos curtos, muito consumidos no mundo todo e, por sua linguagem em geral figurada, nos ajuda a tentar entendê-la e explicá-la em outra língua!


____________________


Злой водкой я растеряюсь,
Вхожу в лавку и уже запиваю,
Беру стакан и оттуда не выхожу,
Там же пью, там же падаю.
Трудно только унести меня,
Ой ла...

Я ухожу из города и уже пою,
Ношу бутылку, которую сосаю,
Иду спотыкаясь по дороге
Ударю овраги головой, кривлю ноги
И куда падаю, там уже засыпаю,
Ой ла...

Муж сказал мне, он просил меня:
«Будь добра, броси пьянство».
Никогда не уважаю мужского совета,
Пью под солнцем, чтоб охлаждаться
И пью вечером, чтоб согреваться,
Ой ла...

Каждый раз я падаю различно:
Хочу назад, падаю вперёд,
Падаю медленно, падаю внезапно,
Верчусь при падении, падаю прямо,
Но из-за водки падаю весело,
Ой ла...

Я беру бутылку и качаю её,
Чтоб проверить, полна ли же она.
Допивать сразу считаю неприличным:
Первым глотком, половину бутылки,
Только вторым осушаю бутылку,
Ой ла...

Я пью водку, ведь мне нравится,
Пью белую или жёлтую водку,
Пью стаканом или чашкой
Или приправленную гвоздикой и корицей.
При любой погоде, водку из горла,
Ой ла... Эх, злая водка!

Я пошла на вечеринку на берегу реки Тиете,
Туда пришла на рассвете,
Сразу мне дали водку, чтоб пить,
Сразу мне дали водку, чтоб пить:
Не была кипячена!

Я слишком много пила, опьянела,
Упала на землю и там лежала
И вернулась домой под руку,
Под руку с двумя полицейскими,
Ой, большое спасибо!