domingo, 29 de janeiro de 2023

Cenas engraçadas do filme “For All”


Link curto pra esta postagem: fishuk.cc/forall



Certo dia, me lembrei desta cena do filme For All: O Trampolim da Vitória, gravado em 1997 e lançado em 1998, que assisti numa tarde de domingo da TV Globo quando eu era criança. De modo romantizado, o premiado e elogiado filme trata da chegada de soldados norte-americanos ao Rio Grande do Norte durante a 2.ª Guerra Mundial, quando formaram aí a então maior base militar dos EUA fora do país pra combater as forças do Eixo nazifascista. Recomendo muito que historiadores e curiosos assistam ou exibam, pois é uma riqueza esquecida da nossa cultura!

Este maravilhoso longa conta com o brilho de muitos astros de nosso cinema, TV e teatro, como Edson Cellulari, Diogo Vilela, Betty Faria e Ney Latorraca, bem como de alguns já partidos da Terra (José Wilker, Luiz Carlos Tourinho e Caio Junqueira). Óbvio que pelas cenas picantes e palavrões seria hoje classificado pra maiores de 16 anos, mas ele foi exibido em pleno horário nobre! For All... mostra um lado cultural da presença dos EUA que não se amarra na crítica do imperialismo e do capitalismo, mas se foca nos aportes linguísticos, musicais, materiais e amorosos. Note-se bem que há muitas cenas com bailes de forró, e que se supõe como uma das origens do nome “forró” a expressão inglesa for all, indicando essas festas “para todos”.

Nesta cena, o jornalista e poeta João Marreco, que tem a mesma pinta do professor Girafales do seriado Chaves, está dando uma aula de português pros soldados, ofício pro qual ele foi encarregado durante a estadia deles. Ele é apaixonado por Iracema, filha do italiano pró-fascista Giancarlo Sandrini, que o vê como melhor genro, mas ela acaba gostando do tenente norte-americano Robert Collins, posteriormente morto em combate. Nesta cena, João acaba descobrindo que um dos militares é Robert, e no impulso o chama de “filho da p...”. Questionado, acaba tendo que traduzir o son of a bitch na cara do rival confuso, e assim começa a zoeira dos Marines.


Depois de ter procurado e achado aquela cena, acabei achando outras que poderiam muito bem virar ótimos memes! Nesta outra, novamente João Marreco aparece dando uma aula de português pros soldados, e Luiz Carlos Tourinho interpreta Sandoval, que arrumou um emprego de faxineiro na base militar, lugar procurado também por outros moradores locais. Embora seja gay, Sandoval tem profunda admiração pela cantora e atriz estadunidense Jay Francis, que também veio ao Brasil, e pede a João que lhe ajude a escrever pra ela uma carta em inglês. Diante da recusa, Sandoval sai da sala nervoso dizendo: “O senhor pode seguir a sua reta, mas a Terra é redonda.”

Ou seja, um sujeito simples no início da década de 1940, interpretado num filme dos anos 90, poderia receber com escárnio a ideia hoje ruminada de que nosso planeta é plano/chato! Ele de cara e inocentemente “refuta” os atuais terraplanistas, rs. Curiosamente, fiquei sabendo esses dias numa curta entrevista com o autor de um livro francês sobre teorias da conspiração nas redes sociais que 1 em cada 6 jovens franceses até 24 ou 30 anos “julga possível” que a Terra seja plana. A tese é a de que haja uma fratura geracional em que os jovens estejam se informando cada vez mais por “fontes” ruins, como o TikTok, mas que a vulnerabilidade ao conspiracionismo seja forte igualmente em outras gerações, sobretudo se a escolaridade é menor.


Nesta última cena, Miguel Sandrini (interpretado por Caio Junqueira), que ao que tudo indica é um moço virjão, está praticando o onanismo vendo uma revista com a foto da atriz e cantora estadunidense Carol Byington com um maiô curto e apertado. Miguel é filho de Giancarlo Sandrini (papel de José Wilker), italiano residente no Brasil e que apoia o regime fascista de Benito Mussolini, ficando assustado com a perseguição aos compatriotas pela ditadura de Getúlio Vargas. Depois fiz inclusive um corte, passando logo pra outra cena em que Miguel encontra Carol pessoalmente, numa das festas promovida na base militar pra entreter os combatentes.

Interessante que nem na década de 1940 nem na de 1990 nenhum marmanjo se vitimizava como incel, culpando a sociedade por não transar: ou mandava no 5 contra 1 mesmo, ou saía por aí dando a cara a tapa.

Nas três cenas, eu fiz o corte do quadro e aumentei um pouco o volume do vídeo original completo. Só consegui fazer a segunda e a terceira descrições com a ajuda da tese de doutorado de Thiago Gobet Spada sobre a trilha musical de For All... e desta reportagem da Folha Ilustrada sobre o lançamento do filme.


sábado, 28 de janeiro de 2023

DITADOR GENOCIDA AZERBAIJANO


Mais uma postagem extra hoje, com material que achei numa rede social de armênios e com a tradução que fiz quando reproduzi nos stories do meu WhatsApp. Só pra complementar o que publiquei outro dia sobre a região caucasiana do Artsakh!





sexta-feira, 27 de janeiro de 2023

Hinos do Brasil Comuno-Bolsonarista


Link curto pra esta postagem: fishuk.cc/comunaro


NOTA: Estes vídeos e textos são a republicação de material que apareceu no meu antigo canal Pan-Eslavo Brasil no YouTube em 2019 e, portanto, reflete a situação política e partidária de então, sem levar em conta mudanças conjunturais e na própria laia que circundava Jair Bolsonaro. Portanto, mesmo que grande parte das piadas não correspondam mais à realidade (sobretudo após a covid-19), considere pelo menos como um material humorístico!

Todos de pé pra execução do recém-adotado novo Hino Nacional da República Federa... ops, o nome mudou também: o Hino Nacional dos Estados Unidos do Brazil-zil-zil. Com “z” mesmo e repetindo como na vinheta do futebol! Agora que estamos numa Nova Era com uma Nova Política governada pelo Mito, nada mais justo do que jogar fora os símbolos do passado, como a bandeira, o hino e o nome do país.

A melodia desta obra-prima foi toda baseada no Canto Patriótico de nosso Grande Irmão do Norte, cujas relações com o Brazil serão exclusivamente privilegiadas. Cante junto comigo:

Oh, sei que ele é sim nosso Mito a salvar
O Brasil do PT, socialismo corruptor.
Bolsonaro, Mourão, Sergio Moro e Bivar,
Contra a Globo e o kit gay do PSOL lacrador!
Vamos privatizar, conter doutrinação,
Amazônia queimou, vive o laranjal.
Com Olavo, sem Frota, Macron e traição.
Mister Trump, I love you, quero ser seu quintal!


Pra quem não sabe, Bolsonaro é de esquerda, viu? Ele só tá esperando a direita e o PSL relaxarem um pouco pra implantar o Soviete de Brasília, soltar o Lula e proclamar a URSAL! E todo mundo achou que ele ia caçar os “vermelhos”... colocando Aras na PGR? Bobinhos. Tirei a melodia instrumental deste vídeo.

Pros desiludidos e pros que gostam de ver o pau comendo, temos o Decreto n.º 1 do Conselho de Comissários do Bolso (nos dois sentidos, rs) mudando o hino nacional e o nome do Brasil pra União das Repúblicas Bolsonaristas Antiéticas. A letra foi amplamente inspirada na tradução literal do hino nacional da antiga URSS, mas por coincidência esta também é a melodia do atual Hino Nacional da Rússia!

“Reacionários de todos os matizes, uni-vos!” Olavo de Carvalho será nosso Lenin, Bernardo Küster será nosso Molotov e Nando Moura será nosso Andrei Zhdanov. Cantem comigo:

1. O sonho do Império Brasil restaurado
Formou a união de direitas hostis.
Que vivam Jair Bolsonaro e seus filhos,
Varões piedosos portando fuzis!

Refrão:
Glória à República de Curitiba,
Sólido esteio anticorrupção!
Partido de Bivar, força do laranjal,
Leva-nos rumo ao Evangelistão!

2. Brilhou nas tormentas Macedo e o Silvio,
Olavo Carvalho clareou nosso andar,
Da tia do Zap e do tio do churrasco,
Igual a manada nos fez militar!

(Refrão)

3. O nosso futuro, sem Globo e sem Folha,
Nós vemos com Trump, sem Kirchner e Macron.
Vendemos da Pátria até a bandeira,
Não tem Amazônia, ninguém faz cocô!

(Refrão)

P.S. A versão original tinha as legendas com a letra acima, mas infelizmente não sei onde foi parar o vídeo. Como eu ainda tinha o áudio e a imagem e fundo, refiz parte da montagem, e espero que minha voz horrível ainda possa satisfazê-lo!


quinta-feira, 26 de janeiro de 2023

Ucranianos pedem apoio de Lula


Link curto pra esta postagem: fishuk.cc/lula-ucrania

Estou fazendo esta publicação extra pra divulgar uma carta que meu amigo Claudio, do Paraná, me passou pelo WhatsApp. É um pedido assinado em 20 de janeiro de 2023 por Vitorio Sorotiuk, presidente da Representação Central Ucraniano-Brasileira, e por Paul Grod, presidente do Congresso Mundial dos Ucranianos, pra que o presidente Lula apoie mais explicitamente os esforços de paz do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky e as tentativas internacionais de condenação e punição da invasão de Vladimir Putin à Ucrânia e sua decorrente carnificina.

Infelizmente, não tenho grandes esperanças de progresso, dado que a atual elite diplomática, de matiz notadamente esquerdista, é muito ignorante quanto a assuntos de países eslavos, e que o agronegócio (que alimenta mais a China e a Europa do que o Brasil, convenhamos) vai chiar ante a possível restrição de produtos químicos se Moscou e Minsk se sentirem muito contrariadas. Em todo caso, recomendo que passe esta publicação pro máximo possível de contatos, ou pelo menos as imagens abaixo que aqui estão contidas:





quarta-feira, 25 de janeiro de 2023

Poroshenko radiativo: soldados caem


Link curto pra esta postagem: fishuk.cc/poroshenko


Em 2014, uma insurreição popular que quase foi apropriada por neonazistas e xenófobos derrubou o então presidente da Ucrânia (fantoche da Rússia), Viktor Ianukovych, e enquanto não ocorriam novas eleições, o presidente do Parlamento comandou o país. Em face de uma guerra civil explodida logo em março no leste tradicionalmente russo do país, foi eleito por voto popular Petró Poroshenko, industrial do ramo chocolateiro e apoiado pelo Ocidente em sua fúria contra a Rússia. Inicialmente apoiado pela onda nacionalista que se comoveu com o que seria uma intervenção de Putin e sua invasão da Crimeia, Poroshenko não conseguiu reverter o vertiginoso empobrecimento da Ucrânia e perdeu fragorosamente pro opositor Volodymyr Zelensky, quando tentou a reeleição em 2019. Mesmo nas províncias mais conservadoras do oeste, o novato conseguiu ficar à frente no segundo turno por cifras não desprezíveis.

Durante o mandato de Poroshenko, houve uns 5 ou 6 casos (mostro apenas alguns aqui) de desmaios de guardas presidenciais em cerimônias oficiais, a começar em sua própria posse, quando um soldado quase caiu em sua frente, mas acabou desabando fora das vistas do eleito. O presidente entraria no Parlamento e parece não ter reparado ou dado importância à cena, mas no fim do ritual, segundo depoimentos, ele teria questionado sobre o estado do militar. Os russos, claro, fizeram a festa, dizendo que os ucranianos (que realmente há muito já eram bem pobres) já passavam fome com Ianukovych, e assim continuariam com Poroshenko, sendo que nem os militares eles estariam conseguindo alimentar!

Eu apenas recortei os quadros, não fazendo alterações no áudio ou na própria duração dos vídeos. Como bônus, também saído da TV em russo, uma cena de desmaio do ex-presidente de Portugal, Aníbal Cavaco Silva, durante a festa nacional de 10 de Junho em 2014, quando afirmam que ele estava ouvindo palavras de ordem bradadas pelos sindicalistas! E de fato, era uma época em que os portugueses estavam bem mal... Fontes (por ordem de exibição):

http://youtu.be/iuzMT0YXu7k
http://youtu.be/QV7EiWKqslM
http://youtu.be/tYm8zH6LUIo



segunda-feira, 23 de janeiro de 2023

Putin falando em francês (2007 e 2019)


Link curto pra esta postagem: fishuk.cc/putin-fr


Duas raríssimas vezes em que o Ditador de Todas as Rússias, Vladimir Putin, falou algumas palavras em francês. Ele parece não ser fluente na língua, mas conseguiu decorar certas frases ou expressões!

A primeira vez foi em 4 de julho de 2007, na Guatemala, quando o Comitê Olímpico Internacional escolheria a cidade russa de Sochi como sede dos Jogos de Inverno de 2014. Na ocasião, o presidente Putin foi pessoalmente ao evento pedir diretamente aos membros do comitê:

“Monsieur le Président, membres du CIO, mesdames et messieurs ! Soutenez, s’il vous plait, le rêve olympique de millions de ‘rousses’ [Russes] qui attendent votre décision avec l’espoir. Je vous remercie.” Depois em inglês: “Sank [thank] you!”

(Senhor Presidente, membros do COI, senhoras e senhores! Apoiem, por favor, o sonho olímpico de milhões de russos que esperam sua decisão com [a] esperança. Eu lhes agradeço.)

Curiosamente, ele pronuncia Russes (russos/as) como rousses, que em francês significa “ruivas”!

E novamente, em 19 de agosto de 2019, Putin começou a visitar o presidente francês Emmanuel Macron em sua residência oficial de Brégançon. Após uma longa conferência de imprensa em que ambas as línguas tiveram intérpretes, o russo fez a gentileza de dizer ao final, quase sem ninguém notar, enquanto tirava o fone: “Merci bain [bien], merci bain [bien] !” (Muito obrigado, muito obrigado!) Em mais uma alteração fônica, Putin diz “bén”, que significa “banho”, ao invés de “byén” (“bem”, aqui usado como “muito”).

O que acham de tomar um “banho com ruivas” no castelo francês? “Muitos russos” gostariam!



domingo, 22 de janeiro de 2023

Diário Político do Centro da Rabeta


Link curto pra esta postagem: fishuk.cc/rabeta

Os eventos políticos destes primeiros 22 dias do agitado ano de 2023 (como se as desgraças de 2022 já não fossem poucas!) já geraram tantos memes e situações engraçadas, que não pude deixar neste domingo de fazer uma publicação extra com algumas coisas que encontrei por aí ou que li da minha (assaz peculiar) maneira.


Uma infeliz montagem de uma fotojornalista da Folha de S. Paulo, que saiu bem na capa e ainda fez o favor de “desenhar” a legenda, foi suficiente pra esquerda tuiteira pedir a cabeça da profissional, acusando-a de sugerir o assassinato do Molusco com um tiro no coração. Segundo Gabriela, a sugestão era uma tentativa de “matar” a democracia, mas sem sucesso, pois lá estava Lula novamente a sorrir, se arrumar e trabalhar. Essa mesma esquerda já pediu a morte de não sei quantas personalidades políticas, passou pano pras piores ditaduras (presentes e passadas) e, na era pré-2013, simplesmente se recusava a dialogar com quem se declarava de direita. Sim, não era conservador, bolsonarista, pró-milicos ou monarquista: você era tratado como cidadão de segunda categoria nas universidades e nas redes sociais, imputável dos piores crimes, simplesmente por se declarar de direita! Em todo caso, pra evocar uma “democracia fraturada”, acho que até o print que fiz de uma reportagem do Fantástico, sem nenhuma montagem, e postei entre os memes do “Capitólio brasileiro”, ficaria melhor!


Christian Lynch é um cientista político brasileiro que está ganhando proeminência nas redes sociais como crítico feroz do bolsonarismo e já apareceu por aqui quando reproduzi seu célebre fio do Twitter explicando a invenção do conceito de Nordeste brasileiro. Este seu último tuíte resumindo o último governo com suas próprias opiniões é uma verdadeira obra de poesia em prosa! Ele tem literalmente “lynchado” os minions, rs.


Uma amostra/exemplo do que o professor disse acima.


Enrico Mentana, icônico apresentador do principal jornal às 20h de Roma do canal televisivo La7, ficou brevemente com essa cara de alívio + felicidade logo após o fim da exibição da reportagem que relatava como foi preso Matteo Messina Denaro (“U Siccu”), o último grande chefe mafioso, ou boss dei boss, que ainda estava solto após encomendar o assassinato dos juízes antimáfia Falcone e Borsellino, em 1992.


Falou a “ex-”admiradora de Mussolini que tem um amiguinho do Mito no governo, rs: “O que está ocorrendo no Brasil não pode nos deixar indiferentes. As imagens da irrupção nas sedes institucionais são inaceitáveis e incompatíveis com qualquer forma de dissenso democrático. É urgente um retorno à normalidade e expressamos solidariedade às Instituições brasileiras.”


Diretamente do Túmulo de Grant (Pica-Pau referências, rs), o fundador dos EUA vem desfazer um equívoco... (A data está com essa correção fuleira porque achei que a bomba plantada perto do caminhão-tanque tinha sido posta no dia 8 de janeiro do quebra-quebra!)


Espero que tudo tenha acabado bem, pelo menos por enquanto... Vamos ficar com esta linda obra partilhada pelo escritor e lambe-saco da família Castro Fernando Morais.


Bolsominions adoram um carro importado, e falam mais do assunto do que de céquiço propiamente dito. Porém, em sua decadência alegada pelas esquerdas, a Folha de S. Paulo precisava anunciar uma pesquisa científica pra descobrir algo que minha trisavó vêneta, nascida por volta de 1882, já dizia do alto de sua sabedoria (“Homem que não tem carro, não tem pinto”)???


Falando em masculinidade tóxica, quase morri quando vi as legendas do que esse menino checheno falou num documentário de 2000 sobre a guerra na década de 1990, rs. Isso me lembrou quando há uns cinco meses um senador uruguaio causou burburinho quando disse que a Argentina estava ruim porque estava “cheia de argentinos”...


E pra terminar, ainda em conexão com o antigo espaço soviético, gostaria de fazer um alerta a todo mundo que chega a esta pobre página: neste momento, na região independentista do Artsakh (ou Nagorno-Karabakh), encravada no oeste do Azerbaijão, o governo deste país está cometendo um genocídio de armênios, com a ajuda da Turquia, no nariz dos soldados russos lá deslocados (cujo próprio governo está cometendo um genocídio de ucranianos...) e com total complacência dos EUA e da União Europeia, que tá chorando pelo petróleo e gás do ditador Aliyev!