Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

19 de abril de 2019

Stalin, o tirano vermelho: documentário


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/tyran-rouge




Por um acaso, descobri este vídeo que, na verdade, é apenas a abertura de um longo documentário, Staline, le tyran rouge (Stalin, o tirano vermelho), produzido e lançado em 2007 pelo canal de TV francês M6. A autoria é de Mathieu Schwartz, Serge de Sampigny e Yvan Demeulandre, que tiveram a consultoria de Nicolas Werth, famoso historiador francês de ascendência russa, especialista na história da URSS e cuja língua materna é o russo. O filme conta a trajetória pessoal e política de Iosif Vissarionovich Dzhugashvili, que passou à história sob o codinome Stalin e comandou a União Soviética de 1924 a 1953 (mas de fato já detendo grande poder desde 1922, quando Lenin saiu de cena). O documentário completo pode ser assistido em francês.

Tendo sido lançado em 2007, Stalin, o tirano vermelho ainda desfruta da onda anticomunista que estava em voga desde a dissolução da URSS, em 1991. Hoje podemos ver algum exagero no foco em questões psicológicas e na associação automática de certas falas suas a episódios pessoais (como as tragédias familiares e o “bolchevique sem família”). Mas em se tratando de um historiador renomado na consultoria, podemos esperar um material muito bom e informativo, já baseado nos tão falados arquivos de Moscou, longamente fechados. Eu preciso de fato ver o documentário inteiro, mas espero que esta abertura já atice vontades e curiosidades.

O canal privado Métropole Télévision (abreviado como M6) foi fundado em 1987 e em 2018 era o quarto mais assistido de toda a França (chegou a terceiro de 2011 a 2017). É o principal canal do Grupo M6, que tem vários outros canais e também atua nos ramos da telefonia móvel, compras a domicílio, internet, futebol, cinema e imprensa. Seu acionista majoritário é o RTL Group, que tem esse nome desde 2000 e está baseado em Luxemburgo. Nicolas Werth (n. 1950) é diretor de pesquisa no Instituto de História do Tempo Presente, filiado ao CNRS, e também tem experiência no ensino secundário. Sua especialidade é a história social da Rússia e da União Soviética nas décadas de 20 e 30, sobretudo as relações entre o poder e a sociedade. Contestando a ideia de “totalitarismo”, Werth participou do Livro negro do comunismo, mas rejeitou o prefácio “policialesco” escrito por Stéphane Courtois e denunciou o emprego de contagens falsas.

Pelo que pude apurar, o poema citado faz parte de uma “Canção sobre Stalin”, supostamente escrita em novembro de 1935 no interior do Daguestão, na língua local. Cantada por montanhesas, foi reelaborada e traduzida por Effenbi Kapiev, com o seguinte texto original (do vídeo): “Но, Сталин, ты выше/Высоких небес,/И выше тебя/Только мысли твои [...] Но, Сталин, твой разум/И солнца светлей”. Com referência à França, também vemos o grande letreiro Unissons-nous pour une vie meilleure (Unamo-nos por uma vida melhor) e o discurso feito por Maurice Thorez (1900-1964), célebre líder stalinista que comandou o PCF de 1930 até a morte. A transcrição imperfeita desta página me ajudou a compor o texto completo, e eu mesmo transcrevi o vídeo, traduzi o texto e legendei o arquivo. Para que nenhum recurso visual fosse prejudicado, não cortei o quadro original, e seguem abaixo a legendagem na TV Eslavo (YouTube), a tradução em português e o original francês, com os números por extenso entre colchetes:



Boa noite! Stalin, o tirano vermelho. O filme que vocês vão ver em instantes conta a história de um dos maiores criminosos do século 20. No início, não era motivado nem pelo dinheiro, nem pela glória: Stalin acreditava na igualdade entre os homens. Sua ideologia era o comunismo, que ele tentou aplicar na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. No mundo inteiro, ele suscitou uma incrível esperança, e lhe foi dedicado um culto sem precedentes, sobretudo na França.

Mas na verdade, Stalin martirizou seu povo. Estima-se hoje que ele foi responsável pela morte de 20 milhões de pessoas. Stalin, o “paizinho dos povos”, era alguém sanguinário, paranoico, fanático. Durante quase 30 anos, ninguém pôde o deter. Stalin morreu há meio século, mas hoje o mundo não está mais protegido do que ontem da alucinação coletiva de regimes tirânicos e de crimes de massa.

Contando-lhes a vida e os crimes de Stalin, a M6 quis, como durante nossa noite consagrada a Hitler, tornar-lhes essa história muito atual e inteligível. Este filme é fruto de um trabalho de investigações e pesquisas em arquivos até então inexplorados, sobretudo os arquivos provenientes de fundos russos. Por muito tempo eles foram censurados, depois ignorados, por evocarem um passado incômodo. Igualmente, privilegiamos testemunhos de época, discursos, diários pessoais e cartas, por vezes inéditos.

Enfim, pela primeira vez vocês vão ver um filme sobre Stalin totalmente em cores. Optamos por colorir as imagens gravadas em preto e branco para tornar esse filme mais atual. Este documentário recebeu o aval do Ministério da Educação Nacional: os professores podem o usar em classe. Stalin, o tirano vermelho é um filme de Mathieu Schwartz, Serge de Sampigny e Yvan Demeulandre.

Verão de 1945. A festa da Vitória na Praça Vermelha, em Moscou. Diante do Palácio do Kremlin e dos dirigentes soviéticos, o Exército Russo celebra a vitória sobre a Alemanha nazista. Como no Império Romano, soldados jogam as bandeiras dos vencidos aos pés do vencedor, o homem que derrotou Adolf Hitler: o generalíssimo Iosif Stalin. Após 20 anos de poder pessoal, o chefe da URSS está no ápice de sua glória. Um poeta escreve: “Stalin, tu és mais alto do que os altos espaços celestes, e só teus pensamentos são mais altos do que tu! Teu espírito, Stalin, é mais luminoso do que o Sol”. Ele é chamado de “paizinho dos povos”. No mundo inteiro ele encarna a esperança de uma sociedade mais justa. Ele é o ídolo de centenas de milhões de pessoas. Também na França lhe cantam louvores: “Sim, proclamamos de todo coração nosso amor ardoroso por Stalin e lhe garantimos nossa confiança inabalável!” (Stalin, Stalin, Stalin!)

Todavia, esse homem é um dos maiores criminosos da história. Ele massacrou seu próprio povo com uma brutalidade sem limites: “Vamos aniquilar sem piedade quem quer que ameace em ações, ou mesmo em pensamentos, a unidade do Estado”. Ele criou o Gulag e reduziu à escravidão 18 milhões de pessoas: “Devemos eliminar os membros nocivos ao Partido para o preservar da doença e da infecção”. Com cinismo, ele provocou fomes que fizeram 7 milhões de mortos: “A morte resolve todos os problemas. Quanto mais homens, mais problemas”. Ele sacrificou a família ao seu próprio poder: “Um verdadeiro bolchevique não deveria ter família”.

Vamos lhes contar a incrível história desse filho de um humilde artesão que se tornou um dos personagens mais poderosos do planeta. Vamos lhes contar como esse homem, que declarava fazer seu povo feliz, tornou-se, graças à megalomania e ao fanatismo, um dos ditadores mais sanguinários que a humanidade já conheceu.


Bonsoir ! Staline, le tyran rouge. Le film que vous allez voir dans un instant raconte l’histoire d’un des plus grands criminels du 20e [vingtième] siècle. Au départ, sa motivation n’était ni l’argent, ni la gloire : Staline croyait à l’égalité entre les hommes. Son idéologie était le communisme, qu’il a tenté d’appliquer en Union des républiques socialistes soviétiques. Dans le monde entier, il a suscité un incroyable espoir, on lui a avoué un culte sans précédent, notamment en France.

Mais dans les faits, Staline a martyrisé son peuple. On estime aujourd’hui qu’il est responsable de la mort de 20 [vingt] millions de personnes. Staline, le « petit père des peuples », était un être sanguinaire, paranoïaque, fanatique. Pendant près de 30 [trente] ans, personne n’a su l’arrêter. Staline est mort il y a un demi-siècle, mais le monde aujourd’hui n’est pas plus qu’hier à l’abri de l’hallucination collective de régimes tyraniques et de crimes de masse.

En vous racontant la vie et les crimes de Staline, M6 a voulu, comme lors de notre soirée consacrée à Hitler, vous rendre cette histoire très actuelle et compréhensible. Ce film est le fruit d’un travail d’enquête et de recherche d’archives jusque-là inexploitées, notamment les archives provenant de fonds russes. Elles ont été longtemps censurées, puis ignorées, car rappelant à un passé gênant. Nous avons également privilégié les témoignages d’époque, discours, cahiers intimes, lettres, parfois inédites.

Enfin, pour la première fois vous allez voir un film sur Staline entièrement en couleur. Nous avons choisi de coloriser les images tournées en noir et blanc pour rendre ce film plus actuel. Ce documentaire a reçu l’aval du Ministère de l’éducation nationale : les professeurs peuvent l’utiliser en classe. Staline, le tyran rouge, c’est un film de Mathieu Schwartz, Serge de Sampigny et Yvan Demeulandre.

Été 1945. La fête de la Victoire sur la Place Rouge, à Moscou. Devant le Palais du Kremlin et les dirigeants soviétiques, l’Armée russe célèbre la victoire sur l’Allemagne nazi. Comme sous l’Empire roman, des soldats jettent les drapeaux des vaincus aux pieds du vainqueur, l’homme qui a battu Adolf Hitler : le généralissime Joseph Staline. Après 20 [vingt] ans de pouvoir personnel, le maitre de l’URSS est au sommet de sa gloire. Un poète écrit: « Staline, tu es plus haut que les hauts espaces celestes, et seules tes pensées sont plus hautes que toi ! Ton esprit, Staline, est plus lumineux que le soleil ». On l’appelle « le petit père des peuples ». Dans le monde entier, il incarne l’espoir d’une société plus juste. Il est l’idole de centaines de millions de personnes. En France aussi, on chante ses louanges : « Oui, de tout notre cœur nous proclamons notre amour ardent pour Staline et nous l’assurons de notre confiance inébranlable ! » (Staline, Staline, Staline !)

Pourtant, cet homme est l’un des plus grands criminels de l’histoire. Il a massacré son propre peuple avec une brutalité sans limites : « Nous anéantirons sans pitié quiconque menace par les faits, ou même par la pensée, l’unité de l’État ». Il a créé le Goulag et réduit en esclavage 18 [dix-huit] millions de personnes : « Il faut trancher les membres nuisibles du Parti pour le préserver de la maladie et de l’infection ». Il a provoqué avec cynisme des famines qui ont fait 7 [sept] millions de morts : « La mort résout tous les problèmes. Plus d’hommes, plus de problèmes ». Il a sacrifié sa famille à son propre pouvoir : « Un vrai bolchévik ne devrait pas avoir de famille ».

Nous allons vous raconter l’histoire incroyable de ce fils d’un petit artisan devenu l’un des personnages les plus puissants de la planète. Nous allons vous raconter comment cet homme, qui déclarait faire le bonheur de son peuple, est devenu, à force de mégalomanie et de fanatisme, l’un des dictateurs les plus sanglants que l’humanité ait connu.




17 de abril de 2019

O universo comunista em vídeos


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/video-comuna




O comunismo soviético, que pra encurtar também podemos chamar de “bolchevismo”, influenciou profundamente o mundo contemporâneo, tanto naquilo que somos quanto naquilo que listamos como valores ou atitudes a repudiar. O isolamento geográfico da Rússia e países próximos com relação ao Ocidente contribuiu pra que predominassem mais as visões míticas ou imaginadas sobre aquela realidade do que propriamente o conhecimento profundo ou descrições realistas. Nunca algo de que sabíamos tão pouco pôde influenciar tanto nossas paixões políticas, embora às vezes o que já imaginávamos ruim se revelava ainda pior, após um contato pessoal ou a descoberta dos arquivos.

Nem sempre elas são voltadas pra esse fim, mas as atuais tecnologias midiáticas e comunicativas podem ser usadas pra uma difusão maior dos saberes sobre a antiga URSS e seus opositores, domínio ainda superado pelos memes e propagandas histéricas. Quando criei a TV Eslavo no YouTube, eu já tinha o objetivo de juntar material histórico pra que as pessoas pudessem formar suas próprias opiniões, sem depender de apreciações alheias. Mas tal conteúdo raramente faz sucesso por conta própria na internet, e acabam predominando os velhos preconceitos favoráveis ou contrários, imunes a revisões.

Estou juntando nesta postagem vários vídeos recentes que montei e/ou postei no meu canal, relacionados à história, política e cultura do comunismo em várias regiões do mundo. Muitos desses assuntos puderam ser tratados com humor, então muitas vezes selecionei parte de um material maior e atribuí esse enfoque. Em qualquer um dos casos, procurei passar informação não truncada, embora às vezes de modo crítico, mas não destrutivo, com relação ao bolchevismo. Pela ordem, nós temos a URSS, o Brasil a Europa e a América Latina:



O comunismo soviético perseguiu ou não as religiões, sobretudo a Igreja Ortodoxa Russa? A resposta não é simples. Lenin dizia idealmente que os religiosos favoráveis à nova ordem deviam ser poupados, mas na prática, como o clero ortodoxo era um braço do antigo regime tsarista, a resistência dele contra os bolcheviques era inevitável. Porém, como a igreja na Rússia era uma instituição milenar, e como as pessoas não iam se desconverter de uma hora pra outra, a dialética foi mais complicada.

Lenin acabou perseguindo a Igreja Ortodoxa que ficou a favor do Exército Branco na guerra civil (1918-1921), mas à medida que o regime ia se estabilizando, alguma calma era possível. Trotsky estava, assim como Lenin, convencido de que a disseminação de uma “educação materialista” poderia aumentar os índices de ateísmo, mas ele não percebia que todo tipo de resistência seria usado, e ele mesmo acabou expulso do país em 1929. Na década de 1920 floresceu inclusive uma revista popular, destinada sobretudo aos jovens, chamada Bezbózhnik, um nome russo pra “ateu” ou “ímpio”, “descrente”, que vem de bez (sem) + Bog (Deus). Hoje, a palavra mais corrente pra ideia sem valor pejorativo é ateízm e ateíst mesmo.

Ao ultradogmatismo teórico, Stalin acrescentou a xenofobia pró-russa, e no início dos anos 30, quando lançou sua campanha de coletivização agrária e industrialização aceleradas, passou por cima de todo tipo de oposição que podia haver. A Igreja Ortodoxa foi a primeira vítima, e logo começou uma campanha de destruição de catedrais e templos menores. Boa parte da população, seja por raiva autêntica, pressão de cima ou espírito de gado, participou dos atos, como vemos nas filmagens. Gradualmente foi se perdendo um rico patrimônio artístico, cultural e financeiro (e, por que não, espiritual?). O exemplo mais dramático foi o da Catedral do Cristo Salvador, uma das maiores de Moscou, cuja demolição foi ordenada diretamente pelo ministro Lazar Kaganovich em 1931, a fim de dar lugar a um monumental projeto arquitetônico, jamais saído do papel, chamado Palácio dos Sovietes. Por falta de fundos, acabou-se finalmente inaugurando no lugar um grande piscinão público em 1958. A catedral seria reconstruída nos anos 90, igualzinha como era.

Outras igrejas que não as ortodoxas jamais tiveram vida fácil na URSS: os protestantes sempre foram perseguidos, vistos como “agentes estrangeiros”, e até hoje continua um pouco assim, na era Putin. Com os católicos os problemas eram poucos, por serem bem minoritários, mas sobretudo no oeste da Ucrânia, onde sempre foram muito nacionalistas, eram alvo fácil. Com a ortodoxia russa, foi mais complexo: houve uma grande onda persecutória nos anos 30, mas durante a invasão nazista o governo lhe cedeu espaço na propaganda nacionalista. No começo dos anos 60, Khruschov renovou a perseguição, em escala bem menor, e os atritos eram constantes com Brezhnev, e menores com Gorbachov. Só nos anos 90 ela recuperaria seu papel, e no regime de Putin ela é praticamente um braço espiritual do Estado nacionalista. Contudo, os russos hoje praticam bem menos a religião, e ainda há considerável taxa de ateísmo.

Estas imagens foram tiradas de várias fontes no YouTube, mas como eu tive pouco tempo pra editar, me perdoem pelas partes repetidas entre as fontes, mas é legal pra fixarmos na memória essa lamentável demolição do Cristo Salvador. Tirei a música de algumas, que parecia nada ter a ver com o assunto, na expectativa de que não implicassem com direitos autorais, mas houve melodias que acabaram detectadas. Não exatamente na ordem em que aparecem:

http://youtu.be/A37Zqsbblk8
http://youtu.be/dJZG7YP3o8o
http://youtu.be/gEpMNBPv83s
http://youtu.be/IdqcjzxlKqo
http://youtu.be/mE3mAhnfdcw
http://youtu.be/p8A4JxCuX7c
http://youtu.be/wlGRpb-koIk
http://youtu.be/YFlx55OANg8



União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, pátria dos trabalhadores de todo o mundo: esporte, trabalho, indústria, astronáutica, política, Olimpíadas, educação, entretenimento, cultura, infância... O melhor país do mundo pra se viver! Ou não.

Agradeço a um amigo do WhatsApp por ter encaminhado este vídeo. Não sei qual é a fonte e qual é a autoria, mas mesmo assim decidi postar, porque achei interessante. Apenas a música é mais moderna, colocada agora, mas não tira o mérito e valor do vídeo. Óbvio que é só propaganda, e que muita gente hoje queria acreditar que era tudo assim. Mas após muitas pesquisas, já sabemos que a realidade da URSS tinha várias facetas.



Ano passado, eu podia parecer fanático ao evocar pela enésima vez o meme “Mr. Trololo”, criado com o cantor russo-soviético Eduard Khil em 2010. Porém, este vídeo ficou represado por anos entre meus projetos, mas só então tive inspiração final pra lançar. São cantores de vários países e culturas, cujo jeito de atuar e cantar em clipes antigos ou mais ou menos recentes lembram algo do “Silvio Santos soviético”.

Muitos jovens de hoje talvez nem saibam quem é este meme, mas seria legal conhecerem. E, o melhor de tudo, curtir agora mesmo música boa de diversas nações, algumas cujas línguas talvez vocês nem soubessem que existissem! Realmente, a cultura e a zoeira são coisas universais, e assim podemos ver como certos modelos artísticos passaram sem perceber pra diversos cantos do globo.

Um trabalho multicultural pra unir as pessoas e diminuir fronteiras. Aqui nós temos a participação dos cantores Julio Iglesias (Espanha), Nelson Gonçalves (Brasil), Edoardo Vianello, Sergio Endrigo (Itália), Karel Gott (antiga Tchecoslováquia), Chubby Checker, Neil Sekada (Estados Unidos), Vice Vukov (antiga Iugoslávia), Jacques Brel (França), Wolfgang Lippert (antiga Alemanha Oriental), Abdel Halim Hafez (Egito), Iosif Kobzon (Rússia), Tagir Yakupov (Tartaristão na época da URSS), e Itsuki Hiroshi (Japão). Não identifiquei o rapaz da Somália nem, por razões óbvias, os do Iraque sob Saddam Hussein!

Links pros vídeos originais e nomes das canções:

Julio Iglesias, Mis recuerdos
Nelson Gonçalves, Atiraste uma pedra
Edoardo Vianello, O mio signore
Sergio Endrigo, Lontano dagli occhi
Karel Gott, Tam, kam chodí vítr spát
Chubby Checker, Let’s Twist Again
Neil Sekada, Oh, Carol
Vice Vukov, Darovi za svu djecu
Jacques Brel, Ces gens-là
Wolfgang Lippert, Meine erste Show (aos 10 min 21 seg)
Abdel Halim Hafez, Ya Gamal Ya Habib El Malayeen
Iosif Kobzon, Den Pobedy
Tagir Yakupov, Awıl köye
Itsuki Hiroshi, Kasan naka
O figurinha somali, o gordinho iraquiano, os outros iraquianos



Com este vídeo didático, resolvi tentar explicar uma dúvida que incomoda muitos dos que se interessam por história do comunismo: qual é a diferença entre o Partido Comunista Brasileiro (PCB) e o Partido Comunista do Brasil (PC do B), que ainda existem juntos no Brasil moderno? Por que essa distinção tão sutil entre os nomes? Eles têm divergências quanto à ideologia e à prática?

Eu queria ser breve, mas o vídeo acabou durando meia hora. Acabei introduzindo muita coisa da própria história do PCB, que seria melhor ter deixado pra outro vídeo, mas acho que isso ajuda a explicar as distinções, porque também faz parte da história do PC do B. No essencial, eu reitero que o PC do B foi uma cisão do PCB ocorrida em 1962, não exatamente por obra de uma ala “stalinista”, mas por membros que discordavam do modo como estavam sendo feitas certas mudanças a partir de cima no PCB e do afobamento com que Nikita Khruschov fazia então as mudanças na URSS e criticava Stalin. Segundo a mitologia do próprio PC do B, o PCB tinha “deixado de existir” como partido comunista em 1961 e os dissidentes agora estariam “reconstruindo-o”.

O mais importante de frisar é o seguinte: o PCB também chamava “Partido Comunista do Brasil”, até que em 1961, numa decisão burocrática e visando, sobretudo, obter o registro legal, mudou o nome, mas não a sigla, pra “Partido Comunista Brasileiro”. Os dissidentes de 1962 recuperaram o nome “do Brasil” e mais tarde criaram a sigla “PC do B” pra evitar confusões. Até o fim da URSS, o PCB se manteve fiel a todas as linhas soviéticas, enquanto o PC do B, tendo inicialmente tentado obter o apoio de Moscou, passou depois a apoiar a China e a Albânia (então adversárias da URSS), e quando albaneses romperam com chineses (1976), aliou-se a Enver Hoxha. Os dois partidos só obtiveram o registro legal em 1985, mas enquanto o PC do B manteve uma trajetória retilínea, em 1992 o PCB passaria a se chamar Partido Popular Socialista (PPS), mas os discordantes obtiveram na Justiça em 1995 o direito de usar o nome, a sigla e os símbolos do PCB.

Cumpre lembrar também que o PCB terminou se aliando ao governo Sarney a partir de 1985 e inclusive apoiou o Plano Cruzado e o congelamento de preços, enquanto o PC do B sempre se manteve na oposição. Além disso, a partir dos anos 90, o PC do B iniciou a aliança histórica com o PT firme até hoje, enquanto o PCB lançou seus próprios candidatos à Presidência da República e chapas legislativas puras (exceto em 2006 e 2018, quando apoiou o PSOL), apoiou Lula e o PT em 2002, mas saiu do governo quando percebeu o novo curso reformista. Atualmente, embora os dois partidos ainda reivindiquem Lenin, a Revolução de Outubro e o bolchevismo, há uma cautela quanto à defesa incondicional da URSS (menor no PC do B), e enquanto o PC do B é mais propenso a apoiar a ortodoxia, o PCB é mais aberto a correntes heterodoxas, como trotskismo e gramscismo.

Infelizmente, me esqueci de esclarecer quanto ao nome adotado pelo PCB em 1961. A justificativa oficial era a de que o partido estava tentando se “nacionalizar”, e que trocar “do Brasil” por “Brasileiro” ressaltaria as raízes locais dos comunistas, e não sua filiação a uma potência estrangeira. Apresentado à Justiça Federal o pedido de legalização do partido, junto a um programa que omitia os rótulos “marxismo” e “comunismo”, num contexto de maior distensão política, ele terminou sendo negado, o que só deu mais lenha à fogueira dos dissidentes. O PCB continuou sendo ilegal, embora tendo atuação mais aberta (até a repressão a partir de 1964), e segundo Luiz Carlos Prestes, apesar da maior tolerância dos governos JK e Jango, o velho establishment oficial, dado o acirramento da “guerra fria”, sempre seria contrário à legalidade dos comunistas.



Este material é raro, com relativamente poucas visitas no tempo em que está postado, inclusive, no canal original. São trechos selecionados da última grande parada militar ao estilo soviético, feita na Hungria socialista em 4 de abril de 1985, nos 40 anos da expulsão dos nazistas do país pelo Exército Vermelho. Até 2010, data em que o vídeo original foi postado, não tinha sido realizada nenhuma outra parada dessa envergadura, mesmo sob a democracia.

A Hungria tinha sido aliada do Eixo na 2.ª Guerra Mundial, e a “punição” pela União Soviética foi particularmente dura. O país tinha sido criado justamente logo após a 1.ª Guerra Mundial, na sequência da partição do antigo Império Austro-Húngaro, derrotado no conflito. Após anos de ditadura e ausência de liberdades, o governo local se aliou aos nazistas, mas terminou deposto pelos soviéticos ao final da guerra mundial. Começaria outro período autoritário, num país cuja mentalidade nunca se adequou ao modelo comunista, nem à intromissão da URSS. Em 1956, um protesto popular exigindo reformas foi reprimido por Moscou e se transformou em rebelião social, duramente sufocada durante meses. Mesmo assim, Nikita Khruschov entendeu a lição e não se intrometeu no modelo mais nacional formulado pelo líder do partido único, János Kádár.

Essa tomada de 14 minutos e meio teve vários trechos separados, de acordo com o interesse apresentado por cada trecho. Ao 1 min 54 seg, por exemplo, toca a chamada Klapka induló (Marcha de Klapka), uma canção tradicional muito famosa e, ao que parece, não prejudicada pelo domínio soviético. Porém, eu tirei alguns trechos que continham uma abertura mais lenta e alguns discursos dos oficiais, então recomendo verem também a postagem original. Eu também cortei algumas bordas pretas que estavam no vídeo, mas não pus no enquadramento moderno. Atualmente, quem domina a Hungria é o primeiro-ministro de extrema-direita Viktor Orbán, o qual, segundo alguns húngaros que protestaram em dezembro de 2018, seria “pior do que o comunismo”. Além de propor uma polêmica reforma trabalhista, ele seria corrupto e autoritário.



Uma das passagens historicamente marcadas mais legais do seriado mexicano Chaves, que o pessoal nascido nos anos 80 e começo-meio dos 90 cresceu assistindo e se tornou sua referência humorística e memética. Depois das referências aos “energéticos” e aos “cruzeiros” e “cruzados”, moedas brasileiras anteriores ao Plano Real (1994), esta é uma de minhas preferidas: a dúvida sobre se “a Seleção” (Brasil? México?) vai jogar com a Alemanha Ocidental ou Alemanha Oriental, divisão da atual Alemanha que existiu de 1949 a 1990.

Seu Madruga (nossa tradução de Don Ramón, interpretado por Ramón Valdés) era o mais mítico e icônico do Chaves, dono de bordões eternizados! Junto com o Quico (Carlos Villagrán), eles eram até mais zoados do que o próprio Chaves (no original, Chavo), cujo ator, Roberto Gómez Bolaños, foi também o criador e diretor da série. Embora o SBT ainda passe alguns episódios na TV aberta, o modo mais fácil da geração dos 2000 conhecer Chaves é, obviamente, a internet, e o canal oficial possui a maioria dos episódios em português, remasterizados. A série foi gravada essencialmente nos anos 70, uma parte nos anos 80, e por isso existem todas essas referências históricas, mesmo na dublagem.

Após a 2.ª Guerra Mundial e a derrubada do nazismo e ocupação da Alemanha por ingleses, franceses, americanos e soviéticos, o país perdeu boa parte de seu território. Do que restou, as zonas controladas por essas potências (a leste pela URSS, a oeste pelos outros, com a capital Berlim dividida ao meio) passaram a constituir dois novos países em 1949: a República Federal da Alemanha, ou Alemanha Ocidental, de regime capitalista, e a República Democrática Alemã, ou Alemanha Oriental, de regime socialista. Com a crise do comunismo na Europa em 1989, a proibição dos alemães orientais passarem pro oeste foi revogada e o processo de reunificação das duas partes (nos fatos, uma anexação da RDA pela RFA) se consumou em outubro de 1990. A Alemanha Oriental era uma ditadura brutal e tinha um nível de vida muito inferior à vizinha ocidental, mas muitos antigos ossies se lembram com nostalgia da vida tranquila e com direitos garantidos, em contrapartida ao materialismo e futilidade dos wessies, além de serem o país socialista mais desenvolvido.

Apesar de estar com outro nome, enquanto um outro canal chama o episódio de “Seu Madruga e o jogo de futebol”, vocês podem assistir à íntegra aqui com melhor qualidade. Eu apenas cortei o quadro e o resto dos trechos, mas deixei algumas passagens mais hilárias.



E o comunismo chega ao Caribe: uma montagenzinha que há muitos anos eu tinha em mente. A “dança do siri” foi uma modinha inventada pelo humorista Ceará no antigo Pânico na TV em 2006, enquanto ele fazia uma de suas entrevistas acompanhado do Repórter Vesgo (Rodrigo Scarpa). O tema que foi usado pra ilustrar a coreografia foi uma versão latina do início da música Í dansi með þér (Na dança com você), da cantora islandesa Björk. Esta, por sua vez, é uma versão do bolero-mambo ¿Quién será?, escrita pelo compositor mexicano Luis Demetrio, que vendeu os direitos ao letrista Pablo Beltrán Ruiz, o qual gravou a canção pela primeira vez com sua orquestra em 1953.

Há um único vídeo brasileiro que tem a versão “completa” do tema da “dança do siri”, e desta página eu tirei as imagens de Fidel Castro entrando em Havana, em 1.º de janeiro de 1959 (coloridas), tendo apenas feito o recorte no tempo e no quadro.



Num dos pontos da andança pela América do Sul que Ernesto “Che” Guevara faz no filme romanceado Diários de motocicleta (2004), que contou com um brasileiro na produção, o médico argentino, futuro destaque da Reovlução Cubana, flerta com uma mulher desconhecida do local. Os dois até começam a dançar, mas quando ela percebe que um amigo de seu marido está olhando, tentar deixar Che. Ele, bêbado, a segura insistindo e acaba a derrubando no chão, o que desperta a raiva do traído. Quase ao começar uma briga feia, o amigo do argentino o arrasta pra fora e os dois fogem loucos com a moto.

Destaque pro velhinho banguelo rindo ao som da música, que foi o que me fez lembrar dessa rara cena de Diários de motocicleta. Pra vocês, o tradicional privilégio de ver a figura engraçada repetida várias vezes! A partir do filme completo disponível no YouTube, eu tirei a referida cena, que começa aos 38 minutos.


15 de abril de 2019

Memes iniciais da Nova Era Bolsonaro


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/bolso-memes



PÁTRIA ARMADA, BRASIL!


Assim como eu fiz com a era petista uns meses atrás, estou agora divulgando alguns memes que fiz logo no começo dessa chamada “Nova Era” iniciada com o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL), e postei na TV Eslavo (YouTube). Já temos pouco mais de três meses de mandato, além dos encargos dos novos governadores e parlamentares estaduais e federais, além do chamado “período de transição”, o que nos possibilita fazer um balanço mais ou menos honesto. Antes de tudo, sabemos que as redes sociais, sobretudo o aplicativo WhatsApp, foram essenciais pra que Bolsonaro e os seus chegassem ao poder, mesmo que esse emprego nem sempre tenha ocorrido de forma honesta. Mas, é claro, a contestação a eles também só podia partir do mesmo ambiente, e os instrumentos estão cada vez mais agudos e velozes!

Os chamados “cem dias” da presidência Bolsonaro foram marcados por polêmicas, desarticulação, desencontros e pouco impulso das alardeadas reformas, de modo que o povo já começa a manifestar sua impaciência. Também nos pareceu que, apesar dos infortúnios ocorridos com o candidato do PSL, sua postura após a posse pouco mudou, e ele continua usando uma linguagem rude e acusando os outros pelos seus problemas. (Algo, claro, nada diferente de Donald Trump, seu exemplo político.) Os chamados “bolsonaristas” agora se encontram na defensiva, e seus adversários de direita e de esquerda usam-se da mesma ferramente política que predominou nos últimos anos: memes, textões, montagens constrangedoras, disparos em grupos de mensagens, avatares fofinhos e frases de efeito. Ainda parece cedo pra dizer quem é que tem razão, mas a superexposição a que se prestou Bolsonaro já o equipara a Dilma Rousseff na inspiração de tanto humor!

É claro que os memes, pra ficar só num tipo, variam muito em qualidade, partidarismo, engajamento ou decoro. Mas eu mesmo nunca deixei de desejar capturar certos momentos engraçados e eternizá-los no meu canal, independente de opção política, mas sempre buscando uma crítica social instigante. No caso em questão, podemos incluir o “período de transição” dentro do governo Bolsonaro, pois ele já tinha muitas de suas características essenciais e Temer carecia de qualquer moral ou influência política. A suposta vinculação com a ditadura militar de 1964-85 e o persistente corporativismo do Congresso Nacional, não raro associado à corrupção e ao fisiologismo e tentando emperrar a maioria das iniciativas do Executivo, são apenas alguns dos traços mais caricatos da dita “Nova Era”, cuja novidade ainda não vimos com toda clareza.

Aproveitem esses curtos vídeos, além das montagens nem sempre geniais que fiz, e divulguem pra seus amigos e conhecidos! Espero que eles sirvam pra vocês pensarem o que existe além da superfície das instituições políticas e das legendas partidárias ou ideológicas. Nem sempre a ordem é cronológica, mas eu quis montar uma narrativa mais ou menos lógica com a trajetória de nossa evolução institucional:



As raízes de nossa atual democracia imperfeita remontam a 1979, quando foi oficialmente inaugurada a abertura política após 15 anos de férrea ditadura militar anticomunista. Por muito tempo eu procurei esse vídeo, e lembro que capturei apenas o trecho em áudio do site do Jornal Nacional, talvez quando a lei da anistia fez 30 anos (2009), mas na época eu não sabia capturar vídeo. Esse ano procurei como um louco essa reportagem de novo, e não encontrei. Porém, fazendo uma garimpagem pelo YouTube, achei no lugar mais improvável: o começo de um dos intervalos da entrevista do ex-presidente da República João Figueiredo a Alexandre Garcia em 1985, pra extinta TV Manchete.

Questionado pelos repórteres se estava firme em seu propósito de levar adiante a Lei da Anistia, que simbolizava a abertura política e o gradual ocaso da ditadura militar instaurada em 1964, Figueiredo disse que não poderia estar mentindo pro povo. Algo anunciado com tanto alarde, há tanto tempo, mesmo que contrariando os interesses de setores militares mais conservadores, não podia ser de repente dado como suspenso. E ao reafirmar seu intento, Figueiredo solta a célebre frase irônica, sem esconder o método com que sempre tratou as coisas: “É pra abrir mesmo, e quem quiser que não abra, eu prendo, arrebento... Não tenha dúvida!”

Infelizmente, não havia vídeo separado com esta famosa passagem. Acabei capturando o trecho no upload feito pelo documentarista Pedro Janov, o primeiro a divulgar a entrevista. Eu cortei a duração e o quadro, mas tinha outro problema: na matéria, a fala é cortada bruscamente, antes de Figueiredo pronunciar “não tenha dúvida”. Por coincidência, um outro canal carregou uma montagem com parte do áudio da entrevista coletiva, baixado do acervo digital Vozes Brasileiras. Pra esse trechinho final poder aparecer, coloquei ainda no Movie Maker um print da última tela do vídeo da Manchete.



A tal “renovação política” sempre foi uma bandeira de nossos candidatos estreantes ou outsiders, mas o material antigo e podre parece mostrar uma teimosa capacidade de resistência. Pra piorar, nossos políticos raramente primam pela inteligência ou vasta cultura geral, e se falamos do Rio de Janeiro, com seus caos em diversos domínios nesse fim de 2018 e começo de 2019, a coisa toma tons trágicos e amargos. Devido à gravíssima crise política e humanitária na Venezuela atual, voltou a circular em redes sociais parte de um vídeo da então vereadora da cidade do Rio, Leila do Flamengo (PMDB), explicando em fevereiro de 2014 por que votou contra a concessão de uma homenagem ao presidente daquele país, Nicolás Maduro. Criticando a iniciativa da Câmara Municipal do ano anterior, a legisladora falava da recente morte de um jornalista da TV Bandeirantes durante um protesto, no Rio, contra a Copa do Mundo no Brasil e argumentou que a honraria não era merecida pelo “ditador criminoso que é o Madruga”.

Sim, isso mesmo: Madruga. Por razão desconhecida, ela confundiu “Maduro” com “Madruga”, neste caso certamente uma alusão ao personagem do seriado mexicano Chaves, que faz sucesso no Brasil desde os anos 80. Muitos internautas brincaram que se na Venezuela tinha o Hugo “Chávez”, deveria ter também o Nicolás “Madruga”, embora de fato “Chávez” em espanhol se pronuncie “tchábess”. Por outro lado, “Chaves” (um sobrenome comum no Brasil) foi a alcunha atribuída ao personagem chamado originalmente “Chavo” (tchábo), que na gíria mexicana significa “garoto, guri, moleque”. A grande jogada era que o menino adotado pelos moradores da vila sequer tinha nome, e era simplesmente chamado chavo, ou... “menino”.

Esse não foi um caso isolado envolvendo o caquético e fisiologista MDB (“novo” nome do antigo partido de Temer, Geddel, Sarney, Cunha, Renan, Cabral etc...). Em novembro de 2017, o então deputado estadual André Lazaroni, também do Rio de Janeiro, respondeu virulentamente numa sessão extraordinária a acusações que também lhe estavam sendo feitas. Ao fim do discurso de uns 15 minutos, já começando a trocar alhos por bugalhos, ele citou a frase “Ai do povo que precisa de heróis”, do dramaturgo comunista alemão Bertolt Brecht... que ele chamou de “Bertoldo Brecha”. Este nome era o de um personagem do antigo programa humorístico Escolinha do Professor Raimundo, liderado por Chico Anysio na Rede Globo, que falava, porém, com sotaque baiano. A imediata correção dos colegas o deixou ainda mais confuso, pois provavelmente tendo lido a frase numa fonte indireta, sem conhecer a fundo o verdadeiro autor, não conseguiu chegar à pronúncia exata ou aproximada de seu nome.

A fúria e o atropelamento verbal de Lazaroni só servem pra tentar ocultar, obviamente sem sucesso, sua evidente culpa. A desfaçatez de ter usado a história de Jesus e da igreja cristã pra se justificar é tão descarada e chocante, que decidi deixar todo o trecho que vai do “Brecha” até o final do discurso, quando ele faz sua “modesta” comparação com Cristo. Claro que não sou religioso, mas penso ser um desrespeito com quem realmente crê manipular a fé como blindagem pros seus crimes, algo comum, porém, entre certos políticos pentecostais e neopentecostais cuja fortaleza está na cidade e no estado do Rio. Notavelmente, essa sessão extraordinária da ALERJ era presidida pelo célebre e mítico comunicador Wagner Montes, com o qual tanto nos encontramos no velho Show de Calouros.

Isso só mostra como pra ser político no Braziu-ziu-ziu, você não precisa ter cultura, muito estudo, vergonha na cara, autocrítica e sensibilidade com os outros. Eles sempre tentam nos ocultar, mas vez ou outra acabam escancarando seu despreparo pra lidar com pessoas e com a coisa pública! Os cariocas e fluminenses, infelizmente, estão muito mal servidos com seus políticos em todos os níveis (e as eleições de 2016 e 2018 foram só um petisco disso), mas tenho certeza que isso é um problema que atinge toda a nossa querida e rica nação. Pra fazer esse vídeo, usei uma montagem com a vereadora Leila (só tirei a parte do episódio Chaves) e a filmagem da sessão extraordinária da ALERJ (pus apenas o fim).



Por falar em incultura e falta de articulação, temos um exemplo transparente com o deputado federal e político mais que profissional Fábio Ramalho (MDB-MG). Tudo bem que o Brasil é rico em sotaques e expressões regionais, mas o que vemos aí não é exatamente uma amostra de regionalismo. Alguém que presumidamente ocupa o cargo de tribuno do povo e advogado dos eleitores devia ao menos fazer-se entender de modo menos atabalhoado! Ex-vice-presidente da Câmara dos Deputados e reeleito em 2018, concorreu como independente à presidência da casa no início deste ano, mas perdeu pra Rodrigo Maia (DEM-RJ). Sua liderança não seria nada insincera nesse antro de podridão, pois a causa que defende arduamente neste vídeo, também tirado do Jornal Nacional (12 de dezembro de 2018), é... o aumento do próprio salário!

Parece até clichê dizer que se trata de preocupação extremamente bizantina diante de tantos problemas que o Brasil vive, sobretudo Minas Gerais, mas isso só mostra que o mantra da “nova política” contra a “velha política” é apenas uma jogada eleitoral. Marina Silva, em 2014, repetiu isso tal como um disco riscado, e talvez por inércia Bolsonaro carregou a mesma bandeira na campanha e mesmo em seu início de governo. Pros avisados, está óbvio que a tendência de nosso sistema é se autoperpetuar, impedindo qualquer renovação profunda, mesmo com várias mudanças que tivemos em Brasília e pelo Brasil. O próprio Ramalho com seu desalinho e improviso é a prova viva do triunfo da “velhíssima política”, mas vender-se como “novo” alguém que passou quase 30 anos votando contra projetos reformistas e não raro apoiando políticas estruturais montadas pelo PT, e depois se erguer em paladino do antipetismo, aí já é difícil de engolir! (Lembrando que o PP, partido a que pertenceu de 2005 a 2016, foi mais ou menos base aliada tanto de Lula quanto de Dilma.)





Os hits do verão que bombam no começo de cada ano no Brasil são mais ou menos um termômetro de como anda nossa vida cultural, intelectual e temperamental. Eu pessoalmente acho que em 2018, Pabllo Vittar e MC Loma e as Gêmeas Lacração foram o ápice de nossa degradação, quando ainda desatolávamos devagar da crise econômica, esperávamos um ano cheio de brigas e baixarias eleitorais (e portanto, somado à Copa do Mundo, parado na economia) e tínhamos de amargar outro ano da decomposição do desmoralizado governo Michel Temer. O primeiro hit da chamada “Nova Era” foi Jenifer (ou O nome dela é Jenifer), gravado por Gabriel Diniz, geralmente rotulado como sertanejo, mas com uma mistura musical muito mais complexa.

Todo ano as pessoas aguardam esse “chiclete” com a seguinte expectativa: “O que será que o Diabo reservou desta vez para nós?...” Embora não seja meu estilo preferido, eu mesmo curti a música, porque ela tem alguma “letra”, alguma “melodia”, não é extremamente barulhenta, é até animadinha e conta uma história engraçada (quem nunca se afundou no Tinder? hahaha), sem palavrões, baixarias ou gritos. Mas sempre há os que se lamentam e esperneiam, maldizendo o coitado intérprete da canção e sua manada de “autores”, e isso geralmente em todos os anos, segundo eles, “cada vez pior”. Montagens não faltam pra zoar os destaques da mídia, e eu mesmo não fiz diferente.

Ano passado fiz a mesma coisa com Que tiro foi esse, outra porcaria tirada da lata do lixo, mas parece que os memes com as mocinhas jamais viralizam. A montagem mais famosa é da personagem Mary Hatch, interpretada pela atriz americana Donna Reed no filme A felicidade não se compra (It’s a Wonderful Life, 1946), mas criei também com a personagem Lucinda, interpretada pela atriz brasileira Andreia Horta na novela das 6 Tempo de amar da Rede Globo, exibida entre 2017 e 2018. Elas simbolizam uma música que certamente ficará lembrada por seu lançamento no início do primeiro governo brasileiro claramente de direita desde Fernando Collor. Mas a comparação de qualidades entre o musical e o político é algo cuja apreciação, de fato, varia bastante!



Quando eu falo em “perpetuação dos políticos”, infelizmente não quero dizer apenas aqueles velhos coronéis bonachões que são reeleitos da forma mais “natural” possível. Não raro, formam-se famílias ou “clãs” inteiros só de políticos, muitas vezes tendo uma cidade, região ou estado como curral eleitoral. Essa herança política, ou mesmo do capital político das gerações anteriores, acontece nos países mais desenvolvidos e democráticos, mas no Brasil toma a forma de uma herança privada passada de pai pra filho, cuja substância material, porém, é a coisa pública. Por isso mesmo, a atividade parlamentar é vista por muitos não como uma forma de ajudar o povo ou defender um certo grupo de interesse, mas garantir o próprio sustento e uma renda fixa sem muito esforço.

Não sei quem era o deputado em questão, mas a posse do novo Congresso Nacional em fevereiro de 2019 trouxe a Brasília famílias inteiras que foram prestigiar as “conquistas”, à moda de trupes caipiras que se esbaldam em festas de formatura escolar ou universitária. As crianças imitam perfeita e sinceramente o meio que absorvem, e o menininho do vídeo, filmado pelo Jornal Nacional em 1.º de fevereiro, parece ter entendido bem a chance. Seguindo o exemplo do pai, adivinhem o que ele quer ser quando crescer?



É claro que secretamente, o pensamento dos brasileiros com relação a seus parlamentares é totalmente outro. São comuns as metáforas com guilhotinas, assassinatos, punições, explosões e outras coisas que mais parecem vinganças revolucionárias de populações oprimidas. Logo, descontadas as inevitáveis vítimas comuns e inocentes, uma hecatombe natural ou até atômica em Brasília sempre povoou alguns sonhos mais acerbos e raivosos. Por isso, acredito que esta é a melhor cena da longa novela bíblica Apocalipse, da Record TV, que começou em 2017 e terminou no ano passado.

Durante a queda do meteoro Absinto, descrita numa das passagens apocalípticas da Bíblia Sagrada, a Praça dos Três Poderes é toda destruída. Tudo bem se fosse só isso, mas a família Ma$$edo esteve sempre interferindo na trama e alfinetando a Globo, com esse noticiário que é evidente imitação do Jornal Nacional. O Juno Meneghel, claramente imitando o célebre William Bonner, até parece que está descrevendo a tragédia de Brumadinho na sua fala, por isso fica até horripilante! Sei que tem gente que não gosta, mas além de cortar o quadro, pus algumas repetições pros internautas terem o prazer aumentado.



O começo da “Nova Era” está se caracterizando pela efetivação do improvável, em especial a tomada a sério de ideias ou pessoas que, como o próprio Bolsonaro, antes pareciam meras caricaturas frustradas na internet. Uma dessas figuras é o filósofo, escritor e astrólogo Olavo de Carvalho, “autodidata” segundo sua própria definição, quase sem nenhuma instrução formal ou certificada por diploma. Se não fosse a degradação moral e educativa por que passamos, ele não passaria de um velho reacionário e boca-suja, chamando a atenção com as afirmações mais estapafúrdias sobre ramos tão diversos quanto física e história, e morando nos EUA pra fugir da reação física que certamente provocaria com seus constantes ataques pessoais a figuras de renome. E tudo isso, claro, não atraindo multidões de jovens em salas de aula ou auditórios de palestras, mas sentado folgadamente em sua mesa de trabalho, tomando sua xícara de açúcar com um pouco de café e falando com seus “alunos” por videoconferência.

Pois bem, ele se tornou a fonte de inspiração a todos aqueles que queriam votar em Jair Bolsonaro, este mesmo sem um programa claro, passando-se por “produtor de cultura”, atraindo a admiração do próprio candidato e de seus filhos que o tratam como um “professor”, e foi alçado à condição de “guru intelectual do bolsonarismo”. É o mesmo senhor que afirma que a lei da gravidade é uma farsa, que combustíveis fósseis não existem e que o nazismo é de esquerda... Mas, sagaz ele parece ser o suficiente pra gradualmente tomar distância do Planalto, enquanto Jair Messias começa a acumular seus primeiros fracassos e polêmicas nojentas. Estamos carentes de ídolos!

Muitos me criticaram por tirar este trecho do contexto maior do vídeo completo, cujo conteúdo, porém, afirmando que “Stalin criou o nazismo”, mal tem qualquer valor intelectual ou didático. Mas a intenção foi mesmo provocar, chocar ou fazer rir, pois todo mundo sabe a real posição ideológica de Olavo de Carvalho e não poderia tirar qualquer conclusão positiva dessa fala. O que soa engraçado, no vídeo de janeiro de 2017, é fazer parecer que ao chamar Iosif Stalin, mandante da URSS comunista de 1924 a 1953, de “o maior estrategista da história humana”, ele ainda vê algum mérito em sua figura. Segundo o pensador, “tudo aconteceu do jeito que ele disse, e ele obteve tudo o que ele queria”, ficando de fato ao internauta informado a missão de saber que isso não implica nenhuma adesão ao comunismo. O áudio original estava baixo demais, então ao editar, além de cortar o quadro, aumentei consideravelmente o volume.



Todos os presidentes do pós-ditadura ficaram conhecidos por algum bordão que entrecortava suas falas públicas. Sarney, Collor, FHC, Lula e Dilma tinham alguma palavra ou expressão que repetiam demais por força do hábito, mesmo em discursos planejados, e isso não escapou a seus críticos ou imitadores. Em 8 de março eu estava vendo o Jornal Nacional e de repente apareceu este fim de reportagem sobre as candidaturas laranjas de mulheres pra deputada estadual e federal, supostamente alavancadas em Minas Gerais pelo atual ministro do Turismo, do PSL, partido de Jair Bolsonaro. Saindo de um evento, o presidente foi questionado pela repórter global Zileide Silva se essas denúncias constrangiam o governo, mas ele respondeu secamente que preferia esperar as investigações, e logo em seguida deu as costas e foi embora.

Me chamou a atenção que ele disse isto: “Deixa as investigações continuarem, tá OK?”. Depois de todos esses meses de campanha eleitoral e começo do mandato, só então vi o próprio Bolsonaro pronunciando a expressão que lhe deixou famoso: “Tá OK?”, repetida até por apoiadores adolescentes quando queriam “lacrar” em debates nas redes sociais. Por causa de sua constância e da rapidez com que era pronunciada, tomou várias ortografias cômicas e alternativas na pena dos opositores: “talquei”, “talkey”, “taoquei” etc.

Eu mesmo entendia que essa expressão queria dizer uma fusão do verbo inglês (to) talk (falar) com a terminação “-ei” do passado regular dos verbos em “-ar”. Ou seja, algo como “talkei?” no sentido de “falei?”, “tá falado?”. Mas só lá pro fim do ano passado acabei deduzindo que era “Tá OK?”. Então, mesmo sendo algo bem banal ou babaca, deixei aqui este vídeo como registro histórico, não só do famoso bordão usado já na etapa do mandato, como também de sua relação áspera com a Rede Globo. Esta, pra variar, lhe faz oposição aberta, como a todo governo que ouse assumir.

No Dia Internacional de Luta das Mulheres Trabalhadoras, além da fala da ministra Damares Alves com achismos e lugares-comuns sobre a delicadeza feminina contrastando com a força masculina, Bolsonaro também soltou uma pérola num evento oficial com a esposa. Disse que seu ministério tinha equilíbrio de sexos por ter 2 mulheres e 20 homens, já que “cada mulher ali valia por 10 homens”. Valeu a brincadeira, mas só deixa explícita a falta de representatividade de vários setores dentro de seu governo e outras estruturas do Estado (não discuto aqui essa questão, mas deixo pra reflexão, tá OK? rs).



Dois anos atrás conhecido pelos arroubos golpistas, o general Hamilton Mourão, vice de Bolsonaro, com sua fisionomia meio indígena, tem confundido o público por declarações aparentemente contraditórias ao que defende o titular do cargo. Muitos iludidos estão dizendo que ele seria uma espécie de “cavalo de Troia” dentro de um governo ultraconservador, esperando apenas a oportunidade pra lançar a própria candidatura em 2022. Outros veem esse intento pelo lado da desonestidade, soltando apenas umas pérolas progressistas pra dar a impressão de ser mais culto e aberto do que Bolsonaro. O fato é que Mourão, já tendo várias chances de exercer brevemente a presidência, virou uma espécie de “queridinho da imprensa”, mais afável e brincalhão e menos brutamontes do que o “Mito”.

Como informou o Jornal Nacional no dia 19 de fevereiro de 2019, a Câmara dos Deputados derrubou o decreto assinado por Mourão, que ampliava o círculo de funcionários públicos que poderiam classificar documentos de Estado como ultrassecretos. A derrota foi vista como uma retaliação e sinal de força demonstrados ao governo Bolsonaro, cuja equipe, porém, minimizou e afirmou que os reveses “fazem parte da democracia”. Mas o vice não sabia ou não admitia que o Congresso Nacional, não como aglomerado ideológico, mas como associação corporativista, tentaria é sabotar ao máximo a “Nova Era”. Ao comentar o resultado, ele se referiu ainda à famosa frase associada a assaltos a mão armada no Brasil, geralmente por bandidos vindos de classes pobres: “Perdeu, playboy!”.



Parece que o vice-presidente Hamilton Mourão estava virando presença cativa na TV Eslavo: primeiro a frase “Perdeu, playboy!”, e agora paga de falante do castelhano. Quem sabe com essa pinta toda, ele realmente não esteja preparando sua futura candidatura à presidência em 2022? Em 25 de fevereiro ele leu um texto escrito em espanhol numa reunião do Grupo de Lima, enquanto governantes da região discutiam soluções diplomáticas pra crise política e humanitária na Venezuela. O general surpreendeu pronunciando um espanhol com forte sotaque, mas razoavelmente compreensível: era a primeira vez que eu via um membro do alto escalão do novo governo dizendo qualquer coisa numa língua estrangeira. As cenas têm produção da Globo News.

Já que o colombiano Ricardo Vélez-Rodríguez, enquanto foi ministro da Educação, não ensinou nada de útil além de medidas patrioteiras, bem que ele podia dar umas aulas de reforço pro Mourão. E quem sabe mais: fazer um pacote incluindo a Dilma Rousseff, que em várias ocasiões tentou falar da própria cabeça algo remotamente parecido com o espanhol, mas se deu mal! Essa “crestomatia” do ibero-dilmês pode ser apreciada aqui mesmo na página.



Este último vídeo meu não tem a ver diretamente com política, mas decidi incluir aqui, porque dizem que Jair Bolsonaro foi eleito pelo WhatsApp. Então, nada melhor do que pensar na sua segurança num meio hoje tão anárquico! Ele é bem simplezinho e mostra como criar um código PIN e adicionar um e-mail de contato pra evitar invasões indesejadas no seu aplicativo.

Dica importante: pra todos os smartphones modernos com o sistema Android, existe um jeito simplíssimo de tirar prints da tela. Pressione ao mesmo tempo (e não um após o outro) a tecla liga/desliga e o lado do botão do volume que reduz a altura. Espere uns dois segundos, e vai dar o barulho de clique da imagem. Alguns modelos modernos, pelo que notei depois do upload, já têm um comando próprio pra captura de tela.


13 de abril de 2019

Canções partisans da ex-Iugoslávia (1)


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/partisans1




Recentemente iniciei na TV Eslavo (YouTube) a playlist “Canções partisans”, separada da playlist “Antiga Iugoslávia”. Ela terá apenas as canções louvando Josip Broz, o Marechal Tito, ou fazendo referência à resistência contra a invasão nazista na 2.ª Guerra Mundial. Comecei a me interessar por essas músicas ainda com 16 anos de idade, quando quase ninguém ainda tinha redes sociais e nem o YouTube existia. Por um acaso, pesquisando nos mecanismos de busca sobre a Iugoslávia socialista, achei na época a rica página Titoville, que funciona até hoje, com fotos, textos e áudios de discursos e canções do período.

Confissão pessoal: o regime socialista iugoslavo, que durou de 1943 a 1991, foi o único pelo qual tive alguma simpatia. Mas isso apenas na adolescência. No início da graduação em História, em 2006, eu ainda conservava ideais socialistas, mas sem simpatizar com nenhum dos antigos governos. Na época, eu só escutava as músicas partisans em MP3 no computador, e a partir de 2011 também num velho celular. Atualmente, continuo escutando as mesmíssimas gravações, não raro na mesma ordem há anos, mas agora pelo YouTube. Eu sequer sabia que boa parte delas era cantada em esloveno, e não em servo-croata, o que também confundia sérvios com quem eu me comunicava online.

O tempo passou, fiz graduação e mestrado, aprendi russo e um pouco de outras línguas eslavas, entrei no doutorado e ainda curto essas pérolas quando me dá vontade. Inclusive, aprendi um pouco das bases da língua eslovena, que pertence ao ramo eslavo meridional (como o tão parecido servo-croata, o búlgaro e o macedônio), mas nunca me aprofundei. Usando agora os múltiplos recursos que a internet oferece, consegui começar uma série contendo não somente as já conhecidas canções em servo-croata, mas também em esloveno, língua do filósofo Slavoj Žižek e da primeira-dama americana Melania Trump.

A primeira música se chama Domovina naša je svobodna (Nossa pátria foi libertada), com letra de France Kosmač e melodia de Viktor Mihelčič, e como a maioria das outras deve datar da década de 1940. É interessante como além de inocentes, poéticas e simples, as letras em esloveno têm uma evidente obsessão por campos, sementes, cultivos e colheitas. Certamente, um povo humilde e pequeno como a Eslovênia, cravado entre inúmeros impérios, só queria plantar em paz durante todos esses séculos, como a maioria dos europeus antigos. Eu mesmo traduzi diretamente, montei o vídeo e legendei, tendo baixado o áudio e copiado a letra desta página.

A segunda canção se chama Hej, brigade! (Ei, brigadas!), e pode-se perceber pela primeira gravação que ela pertence ao estilo koračnica, que vem do esloveno e servo-croata korak (passo), isto é, um ritmo marcado como se estivesse figurando a marcha dos soldados em frente. Em sua primeira versão, a letra foi escrita por Matej Bor (nome artístico de Vladimir Pavšič, escritor e compositor, 1913-1993) no fim de outubro de 1942, e a melodia foi criada por Franc Šturm (linguista, romancista, crítico e tradutor, 1881-1944) em abril de 1943. Sua primeira execução em público foi em setembro de 1943, mas não alcançou de cara o sucesso, que só veio após algumas modificações no texto (que ficou como se lê nos vídeos). Então, ficou conhecida como um hino não oficial da resistência partisan na Eslovênia. Como Šturm morreu capturado na guerra, a partitura original se perdeu, e uma nova melodia (que ouvimos) foi composta por Radoslav Hrovatin.

Eu mesmo montei o primeiro vídeo, traduzi e legendei a canção do esloveno, usando o texto tirado desta página, que tem também uma tradução mediana em inglês que me auxiliou. Como brinde, pus duas gravações, uma em ritmo mais rápido e outra mais lenta, com mais arranjos. O segundo vídeo é um trecho do filme iugoslavo (esloveno) Na svoji zemlji (Na própria terra), o primeiro em áudio gravado na Eslovênia, dirigido por France Štiglic no verão de 1947-48. Lançado em novembro de 1948, ele trata da luta partisan contra a ocupação alemã e italiana na região ocidental da república (Primorska), e foi lembrado em vários livros posteriores de memórias. O arquivo original do qual apenas recortei o quadro está num ótimo canal com muito material da época.

A terceira se chama Hej, tovariši! (Ei, camaradas!), a minha preferida desde os 16 anos, talvez a primeira que escutei. Conforme apurei, foi feita em 1947 com letra de France Kosmač (1922-1974) e melodia de Marjan Kozina (1907-1966), e pela época em que apareceu descreve tanto os combates da resistência antifascista quanto o esforço de reconstrução da Eslovênia dentro da Iugoslávia federal. Notavelmente, há referências à Eslovênia e à libertação, mas não à Iugoslávia como um todo, ao socialismo nem ao Marechal Tito. Fala-se também das regiões da Caríntia e da Estíria, próximas à Áustria, sendo que pra primeira usa-se o nome arcaico Korotan, e não Koroška, que é o atual. Os dois autores serviram entre os partisans eslovenos e compuseram outras canções desse estilo. Eu mesmo montei o vídeo, traduzi e legendei a canção a partir do esloveno, tirando desta página o texto usado. Num fórum de variedades, há também um tópico com algumas canções traduzidas pro inglês, mas Hej, tovariši! está apenas pela metade. Eu baixei o áudio de um site com muitas músicas populares eslovenas, mas escrito só na língua local.

Assistam duas vezes a cada montagem com legendas bilíngues, lendo uma língua de cada vez! Seguem abaixo os vídeos legendados, os textos em esloveno (que é escrito, como as línguas dos países eslavos católicos, em alfabeto latino, e não cirílico) e suas traduções:



Domovina naša je svobodna,
prosto diha spet slovenski rod.
Vriska gora in dolina rodna,
v soncu sveti se pred nami pot.

Širna polja smo zorali,
prepojili jih s krvjo,
dobro seme smo sejali,
bojevali se srčno.

Mi ponosni smo čuvarji
naše svobodne rasti,
brez plevela v novi zarji
seme žlahtno naj kali!

Vrag še išče, da bi mlado setev
s strupom podlosti, laži dušil.
Nikdar več! In našo zlato žetev
sami bomo želi s svojih njiv.

Širna polja smo zorali,
prepojili jih s krvjo,
dobro seme smo sejali,
bojevali se srčno.

Mi ponosni smo čuvarji
naše svobodne rasti,
brez plevela v novi zarji
seme žlahtno naj kali!
Brez plevela v novi zarji
seme žlahtno naj kali!

____________________


Nossa pátria foi libertada,
a Eslovênia vive livre de novo.
Exultam o monte e vale natais,
a via reluz para nós sob o Sol.

Cultivamos vastos campos
que foram regados a sangue,
plantamos a semente do bem
e combatemos bravamente.

Somos garantes orgulhosos
de nosso crescimento livre,
sem daninha na nova aurora
que germine a nobre semente!

O inimigo ainda quer envenenar
nossas mudas com mal, mentira.
Não mais! E nossa colheita áurea
tiraremos das próprias lavouras.

Cultivamos vastos campos
que foram regados a sangue,
plantamos a semente do bem
e combatemos bravamente.

Somos garantes orgulhosos
de nosso crescimento livre,
sem daninha na nova aurora
que germine a nobre semente!
Sem daninha na nova aurora
que germine a nobre semente!





Hej, brigade, hitite,
Razpodite, zatrite,
Požigalce slovenskih domov!

2x:
Hej, mašinca, zagodi,
Naj odmeva povsodi
Naš pozdrav iz svobodnih gozdov!

Kje so meje, pregrade,
Za slovenske brigade?
Ne, za nas ni pregrad in ne mej!

2x:
Po slemenih oblačnih
In po grapah temačnih
Vse od zmage do zmage naprej!

Čez poljane požgane
Tja do bele Ljubljane
Naša vojska prodre kot vihar!

2x:
Dokler tu so brigade,
Kdor zemljo nam ukrade?
Na Slovenskem smo mi gospodar!

____________________


Ei, brigadas, se apressem,
Expulsem, aniquilem
Quem incendeia lares eslovenos!

2x:
Atire, metralhadora,
Que ressoe por toda parte
Nossa saudação das matas livres!

Onde há limites, barreiras,
Para as brigadas eslovenas?
Para nós não há barreiras, limites!

2x:
Pelos picos nebulosos,
Pelos penhascos escuros
Sempre avante de vitória a vitória!

Por sobre prados queimados
Até a límpida Ljubljana
Nossa tropa entrará tempestuosa!

2x:
Enquanto aqui há brigadas,
Quem roubará nossa terra?
Somos os senhores da Eslovênia!



Hej, tovariši, pod orožje vsi!
Tujec mora iz naše zemlje!
Čaka Korotan, čaka Štajerska,
Čaka sinje Jadransko morje.

2x:
Zdaj v roke puške,
Zdaj naj zapoje mitraljez,
Sovrag bo čutil,
Kako gorak je z nami ples.
Hej tovariši, ni nam žal krvi
Za svobodno Slovenijo.

Hej, tovariši, zdaj na delo vsi!
Nov svet dvignimo iz ruševin!
Čaka polje nas, čaka dom požgan,
Čaka delo nas od korenin!

2x:
Brnenje strojev,
Napete mišice kot lok,
Rastoče zgradbe,
Življenja neutrudni tok!
Vse to čaka nas, ko napoči čas
Bratske sprave in svobode.

____________________


Ei, camaradas, todos às armas!
Saia o invasor da nossa terra!
A Caríntia e a Estíria esperam,
O azul mar Adrático espera.

2x:
Rifles nas mãos agora,
Cante já a metralhadora,
O inimigo vai sentir
O amargor de dançar conosco
Ei, camaradas, não poupamos
Sangue por uma Eslovênia livre.

Ei, camaradas, todos já a postos!
Das ruínas faremos novo mundo!
Casa queimada e campo esperam,
Uma missão nos espera do zero!

2x:
O zumbido das máquinas,
Músculos tensos como arco,
Edifícios que crescem,
Um fluxo incessante de vida!
Tudo nos espera ao começarem
A fraternização e a liberdade!




11 de abril de 2019

Como pronunciar latim eclesiástico (4)


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/fale-latim4




Em fevereiro de 2018, decidi gravar em áudio todos os textos dos livros Gradus Primus e Gradus Secundus, de Paulo Rónai, traduzi-los e postar os vídeos com as ilustrações correspondentes na TV Eslavo (YouTube). A essa série chamei Latim Pronunciado, com minha leitura em voz alta das leituras destinadas ao ensino do idioma latino no ginásio (mais ou menos 5.º a 9.º ano atuais) e criadas por volta dos anos 50. Paulo Rónai foi linguista, tradutor, escritor e crítico literário, e nasceu na Hungria antes de se radicar no Brasil.

Uma das críticas feitas por latinistas acadêmicos a esse método é que os textos são muito artificiais e não refletem a realidade romana antiga da língua. Mas eu gosto muito dele porque pra quem não sabe nada, é uma introdução bem didática, e serve ainda muito bem como manual autodidata. Se algum de vocês tiver qualquer dúvida sobre o idioma, pode me perguntar nos comentários ao vídeo.

Como eu disse na primeira e na segunda partes da série, optei por seguir a chamada “pronúncia eclesiástica”, baseada na língua italiana e hoje usada em larga escala (quando se emprega o latim) pela Igreja Católica Romana, porque ela é a mais simples, menos artificial e não padece da condição de hipótese, tal como a “pronúncia reconstituída”. Estou fazendo esta série por diversão, e pra quem não sabe nada da língua latina, embora não seja propriamente um curso. O latim também foi importante pra evangelização dos eslavos, e pra elaboração cultural feita pelos santos Cirilo e Metódio, codificadores da primeira língua eslava escrita. Além disso, muitos povos eslavos (ocidentais, além de croatas e eslovenos) não vieram à influência ortodoxa de matriz grega.

Seguem abaixo os vídeos das lições de 21 a 30 do Gradus Primus que eu já tinha gravado, encerrando assim esse primeiro volume da série. Em algum tempo, vou começar a narrar no canal os textos de Gradus Secundus, e a cada 10 lições vou fazendo postagens aqui na página. Vocês lerão também as traduções livres que eu mesmo fiz, já que elas não acompanham os livros:



CONSELHOS ÚTEIS DE UM PAI PARA O FILHO

Suplique a Deus. Ame seus pais. Combata pela pátria. Ande com os bons para que você mesmo seja bom. Cumprimente de boa vontade, para que também o cumprimentem de boa vontade. Conserve suas coisas. Aprenda para saber. Evite os jogos de dados [= de azar], para que você permaneça um homem honrado. Medite sempre o provérbio: “Como para viver, e não vivo para comer.”



SOBRE O DILÚVIO

Os crimes do gênero humano irritavam Júpiter. Em vão os homens pediam para que ele perdoasse; ele mandou o dilúvio à Terra. Os rios precipitavam-se pelos campos abertos e destruíam as casas. As ondas eram tão altas que não havia nenhuma distinção entre o mar e a terra.



SOBRE DEUCALIÃO E PIRRA

O dilúvio devastou tudo.

Quando as águas baixaram, de todos os seres humanos da Terra sobreviveram apenas um homem, Deucalião, e apenas uma mulher, Pirra, ambos velhíssimos. Querendo renovar os povos da Terra, Deucalião consultou o oráculo de Têmis. A deusa deu esta resposta:

“Joguem atrás das costas os ossos da grande mãe.”



SOBRE OS NOVOS SERES HUMANOS
(ou SOBRE A NOVA HUMANIDADE)

Deucalião e Pirra, que não entenderam o oráculo, meditavam longamente no espírito. Finalmente o marido disse a Pirra:

– Agora entendi o oráculo. A grande mãe é a Terra. Os ossos da mãe, portanto, são as pedras.

Então o marido e a esposa jogaram pedras atrás das costas. Logo as pedras tomaram a forma humana.



SOBRE A AMIZADE E OS AMIGOS

– Arranjem amigos para si – dizia Orbílio aos discípulos. – Sem amizade a vida seria triste. Se vocês escolherem bem os amigos, terão companheiros nas adversidades. De fato, Publílio Siro escreveu acertadamente: “As coisas favoráveis atraem os amigos, e as tristes os põem à prova.”

Os discípulos de Orbílio meditavam as palavras de Publílio. Mas vocês [leitores] sempre meditem a sentença do poeta Ovídio Naso:

“Enquanto você for feliz, vai contar muitos amigos; se os tempos forem nebulosos, ficará sozinho.”

Nos dois templos da ilustração está escrito: “Hic hábitat infelícitas” (Aqui mora o azar) e “Hic hábitat felícitas” (Aqui mora a sorte).



A ARTE DE VIVER BEM

Orbílio aos discípulos: – Vocês desejam viver bem? Não ignorem estes preceitos de Publílio Siro, meninos.

Primeiro: “Advirta os amigos em segredo, mas elogie-os em público.”

Segundo: “Tenha paz com os homens e guerra com os vícios.”

Terceiro: “Nunca acuse nem elogie ninguém apressadamente.”



SOBRE A ARTE DE DÉDALO

O rei Minos [de Creta] isolou Dédalo com seu filho Ícaro na ilha de Creta. Se Dédalo não tivesse inventado uma arte admirável, ele ficaria para sempre na escravidão. Mas o artesão colocou em ordem penas na forma de asas e as ligou com cera.



DITOS ESPIRITUOSOS/CHISTOSOS
(ou literamente “Coisas ditas de forma espirituosa”)

Orbílio aos discípulos: – Agora vou ditar a vocês novas sentenças de Publílio, todas agudas e bonitas.

“O esquecimento é o remédio para as ofensas.”

“A vida e a fama de um homem caminham lado a lado.”

“Receie o que o dia lhe concede: ele rapidamente vem o roubar.”

“Ao deliberarmos, a oportunidade frequentemente morre.”



ADVERTÊNCIAS DE DÉDALO AO FILHO

Dédalo ajustou as asas para si e para o filho. Então ele advertiu o filho com duras palavras, para que ele não voasse alto.

– Meu Ícaro, disse, seja prudente! Evite ficar próximo do Sol!

Mas Ícaro, desejoso de voar, não atendeu às advertências do pai. Porém, o menino depois se arrependeu de ter desprezado as advertências e não ter obedecido ao pai.



SOBRE A MORTE DE ÍCARO

Todos os que viam a corrida dos homens voadores ficaram maravilhados. Mas o menino, alegrando-se com o voo audacioso, dirigiu um caminho tão alto que os raios do Sol amoleceram a cera. Ícaro caiu no mar. Seu pai se arrependeu de ter inventado a arte de voar.

Assim pereceu o audacioso menino; mas sabemos que a memória de Ícaro nunca haverá de perecer.

9 de abril de 2019

Hino Nacional da França (2.ª tradução)


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/hino-franca




Depois da primeira versão que traduzi há mais de 3 anos e meio junto com o Chant des partisans, finalmente uma legendagem exclusiva e com a versão quase completa da canção de guerra La Marseillaise (A Marselhesa), composta por Rouget de Lisle durante o processo da Revolução Francesa e, com o tempo, feita hino nacional da República Francesa. O vídeo de 2015 é referente ao feriado de 14 de Julho daquele ano, mas fiz a tradução numa linguagem mais arcaica e só aparecem as duas primeiras estrofes, enquanto no geral as exibições solenes mostram três. Agora também tenho a ocasião de explicar um pouco melhor sua história e atualizar a linguagem da tradução, que além de contar com o uso sistemático de “você(s)”, está menos literal pra ser mais elucidativa.

A Marselhesa foi composta inicialmente como um Canto de guerra para o Exército do Reno, de autoria do oficial francês da engenharia militar, poeta e autor dramático Claude Joseph Rouget de Lisle em 1792, durante a guerra entre a França e a Áustria. Uma famosa pintura de Isidore Pils, Rouget de Lisle chantant la Marseillaise (1849), mostra o que seria a primeira execução cantada da obra por seu próprio autor, rodeado por seus companheiros de armas. No mesmo ano, a marcha foi executada no enterro do prefeito da cidade de Étampes e fascinou o general François Mireur, que estava aí presente e coordenava a partida de voluntários do sul da França à guerra. Ele fez imprimirem o Canto de guerra... num jornal do Sul, e assim ela foi abraçada pelos voluntários de Marselha. Daí o nome A Marselhesa, embora tenha sido composta em Estrasburgo, bem ao Norte.

Ela foi decretada “canto nacional” em 14 de julho de 1795, superando Réveil du Peuple (Despertar do Povo), um canto patriótico contra o Terror. A seguir, Napoleão não proibiu formalmente A Marselhesa, mas preferiu usar Veillons au salut de l’Empire, Le chant du départ (que já publiquei aqui) ou a Marche consulaire. A monarquia da Restauração tentou popularizar a antiga ária Vive Henri IV ! (Viva Henrique 4.º!), mas a Revolução de 1830 reimpôs A Marselhesa. Em 1871, após a Comuna de Paris, foi proclamada a República, mas tentou-se adotar a recém-composta Vive la France, mais pacífica e sem “blasfêmia e subversão”. O medo do retorno da monarquia impeliu à oficialização da Marselhesa como “hino nacional” (não mais “canto nacional”) em 14 de fevereiro de 1879, reafirmando a vigência do decreto de 1795. Uma versão oficial definitiva foi fixada em 1887, e as Constituições de 1946 e 1958 reiteram a vigência da Marselhesa.

A Marselhesa ultrapassou as fronteiras da França e se tornou uma canção revolucionária tocada no mundo todo, com inúmeras traduções poéticas. Durante a vigência da Comuna de Paris, foi utilizada uma Marselhesa da Comuna como hino provisório, e entre as revoluções de fevereiro e outubro de 1917 na Rússia, o Governo Provisório usou como símbolo uma Marselhesa Operária cantada na língua local (aqui pus também os dois hinos). Durante os combates à ocupação nazista da França na 2.ª Guerra Mundial, Le chant des partisans foi conhecido como “Marselhesa da Resistência” e continuou popular após a guerra. Rouget de Lisle compôs as 6 primeiras estrofes, mas o poema todo tem pelo menos 15 estrofes, modificadas no passar do tempo. Em eventos oficiais, somente a primeira estrofe (“Allons, enfants de la Patrie...”) é cantada, mas é frequente também o emprego da sexta (“Amour sacré de la Patrie...”). Nesta gravação, adiciona-se ainda ao fim a quarta estrofe (“Tremblez, tyrans, et vous, perfides...”).

A letra da Marselhesa possui muitas variantes, mas pra esta tradução eu usei a mostrada na Wikipédia em francês. Na época em que fiz a primeira tradução (estrofes 1 e 2), eu cotejei a tradução da Wikipédia em português e a do livro Francês urgente para brasileiros, de Angela F. Perricone Pastura. A partir delas, cheguei à minha própria versão, tendo cotejado ainda com as traduções das Wikipédias em inglês, espanhol, italiano, catalão, esperanto e galego. De fato, minha leitura em francês ainda não era perfeita e minha habilidade de tradução ainda estava no começo, e por preguiça acabei mantendo “tu” e “vós” pra traduzir tu e vous e usando só presente simples ao invés do presente contínuo. A tradução de agora é totalmente reformulada, e a tradução da terceira estrofe é inédita.

Além de traduzir, eu mesmo montei o vídeo e legendei: assistam duas vezes, lendo uma legenda a cada vez! Eu baixei o áudio da famosa tradução em inglês, tendo só aumentado um pouco o volume. Em 2015, recorri também a textos que explicavam em parte A Marselhesa e que ainda recomendo (Au-delà du sens politique et historique, que signifient au juste les paroles de notre hymne national ? – leia aqui; La Marseillaise expliquée aux cons – leia aqui). Há uma polêmica sobre o real sentido de sang impur (sangue impuro), considerado uma menção racista ao inimigo, mas adotei a leitura que entende “sangue plebeu” (não azul, não puro), ou seja, o sacrifício do povo pela liberdade, e não “sangue estrangeiro”, dos que deveriam morrer. Seguem abaixo minha legendagem bilíngue na TV Eslavo (YouTube), a letra em francês e a tradução em português:




1. Allons, enfants de la Patrie,
Le jour de gloire est arrivé !
Contre nous de la tyrannie
L’étendard sanglant est levé,
L’étendard sanglant est levé,
Entendez-vous dans les campagnes
Mugir ces féroces soldats ?
Ils viennent jusque dans vos bras
Égorger vos fils, vos compagnes !

Refrain :
Aux armes, citoyens,
Formez vos bataillons,
Marchez, marchez !
Qu’un sang impur
Abreuve nos sillons !
Aux armes, citoyens,
Formons nos bataillons,
Marchons, marchons !
Qu’un sang impur
Abreuve nos sillons !

2. Amour sacré de la Patrie,
Conduis, soutiens nos bras vengeurs.
Liberté, Liberté chérie,
Combats avec tes défenseurs !
Combats avec tes défenseurs !
Sous nos drapeaux que la victoire
Accoure à tes mâles accents,
Que vos ennemis expirants
Voient ton triomphe et notre gloire !

(Refrain)

3. Tremblez, tyrans, et vous, perfides,
L’opprobre de tous les partis,
Tremblez ! vos projets parricides
Vont enfin recevoir leurs prix !
Vont enfin recevoir leurs prix !
Tout est soldat pour vous combattre,
S’ils tombent, nos jeunes héros,
La terre en produit de nouveaux,
Contre vous tout prêts à se battre !

(Refrain)

____________________


1. Vamos, filhos da Pátria,
O dia da glória chegou!
A bandeira sangrenta da tirania
Está levantada contra nós,
Está levantada contra nós,
Vocês podem ouvir nos campos
Esses soldados ferozes mugir?
Estão vindo aos lares de vocês
Para degolar seus filhos e esposas!

Refrão:
Às armas, cidadãos,
Formem seus batalhões,
Marchem, marchem!
Que um sangue plebeu
Regue nossos campos!
Às armas, cidadãos,
Formemos nossos batalhões,
Marchemos, marchemos!
Que um sangue plebeu
Regue nossos campos!

2. Amor sagrado pela Pátria,
Guie e apoie nossas mãos vingativas.
Liberdade, querida Liberdade,
Lute junto a quem defende você!
Lute junto a quem defende você!
Que seus acordes másculos tragam
A vitória com nossas bandeiras,
Que os inimigos morrendo vejam
Você triunfar e nós glorificados!

(Refrão)

3. Tremam, tiranos, e vocês, traidores,
Que são desonra a qualquer grupo,
Tremam! Seus projetos parricidas
Enfim vão receber suas punições!
Enfim vão receber suas punições!
Soldados demais a combater vocês,
Nossos jovens heróis, parece que
Se eles morrem, saem novos do solo
Todos prontos a lutar contra vocês!

(Refrão)




7 de abril de 2019

“Bože pravde” (hino do reino da Sérvia)


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/bozepravde




Eu já tinha traduzido a versão republicana deste hino, mas apresento agora uma segunda versão integral, como hino do Reino da Sérvia, uma monarquia constitucional que existiu na Europa Meridional de 1882 a 1918 e foi governada pelos reis Milan, Aleksandar e Petar. Ele se chama “Боже правде”, em alfabeto latino Bože pravde (Ó, Deus de justiça), e foi composto em 1872 por Davorin Jenko (melodia) e Jovan Đorđević (letra). Foi adotado pela primeira vez no Principado da Sérvia em 1878, e depois pelo sucessor Reino da Sérvia, tendo passado por diversas modificações conforme o monarca que governava e o tipo de regime do país. Em 1918 passou a integrar o hino do recém-formado Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos, futuro Reino da Iugoslávia, junto com as canções desses povos, até o fim da monarquia em 1941.

Durante o regime comunista do Marechal Tito, o hino da Iugoslávia foi Hej, slaveni (Ei, eslavos). Em 1992, com a desintegração da Iugoslávia socialista, outras canções foram propostas pra ser adotadas como hino sérvio, mas jamais houve aprovação oficial. Apenas em 8 de novembro de 2006, após se separar de Montenegro, a Sérvia abandonou Hej, slaveni e reconheceu novamente Bože pravde em sua Constituição, e em 11 de maio de 2009 o hino finalmente foi ratificado em lei. Até 2006 ele também servia de hino da República Sérvia (Republika Srpska, não confundir com a República DA Sérvia), uma região de maioria sérvia constituinte da Bósnia e Herzegóvina, mas seu uso foi proibido pra não se discriminarem as outras nacionalidades aí residentes.

O atual hino nacional da República da Sérvia (capital Belgrado) possui as mesmas estrofes antigas, com vários versos mudados em relação à versão inicial, pra tirar as referências à monarquia. O último verso da segunda estrofe era Srpskog Kralja, srpski rod (O Rei sérvio e o povo sérvio) e foi trocado por Srpske zemlje, srpski rod (As terras sérvias e o povo sérvio). O anterior Srpske Krune novi sjaj (Brilha de novo a Coroa sérvia) se tornou Srpske slave novi sjaj (Brilha de novo a glória sérvia), e o antigo Kraljevinu srpsku brani (Proteja o reino dos sérvios) mudou pra Otadžbinu srpsku brani (Proteja a pátria dos sérvios). A versão mais corrente, que já postei aqui, é um encurtamento que usa apenas as duas primeiras estrofes, mas estes vídeos têm o texto integral dos tempos da monarquia.

Eu mesmo traduzi direto do sérvio (às vezes cotejando com a mediana tradução francesa da Wikipédia) e legendei, tendo baixado deste vídeo o primeiro áudio e deste vídeo o segundo áudio. Podem-se ler minhas raras legendas trilíngues, ou seja, uma linha em cirílico, outra em latino e outra em português: por que não ver o vídeo três vezes, lendo uma parte por vez? Alguns versos, diferentes na segunda versão, figuram entre colchetes. Seguem abaixo minhas legendagens na TV Eslavo (YouTube), as letras em sérvio e a tradução em português:






Bože pravde, ti što spase
od propasti dosad nas,
čuj i odsad naše glase
i od sad nam budi spas.

Moćnom rukom vodi, brani
budućnosti srpske brod,
Bože spasi, Bože hrani,
srpskog Kralja, srpski rod!

Složi srpsku braću dragu
na svak’ dičan slavan rad,
sloga biće poraz vragu
a najjači srpstvu grad.

Nek’ na srpskoj blista grani
bratske sloge zlatan plod,
Bože spasi, Bože hrani,
srpskog Kralja, srpski rod!

Nek’ na srpsko vedro čelo
tvog ne padne gneva grom,
blagoslovi Srbu selo,
polje, njivu, grad i dom!

Kad nastupe borbe dani
k’ pobedi mu vodi hod,
[v’ pobedi ti zvoni hod,]
Bože spasi, Bože hrani,
srpskog Kralja, srpski rod!

Iz mračnoga sinu groba
srpske Krune novi sjaj,
[srpske sloge novi sjaj,]
nastalo je novo doba,
novu sreću, Bože daj!

Kraljevinu srpsku brani,
pet vekovne borbe plod,
[Otadžbinu srpsku brani,
šest vekovne borbe plod,]
Bože spasi, Bože hrani,
moli ti se srpski rod!

____________________


Боже правде, ти што спасе
од пропасти досад нас,
чуј и одсад наше гласе
и од сад нам буди спас.

Моћном руком води, брани
будућности српске брод,
Боже спаси Боже храни,
српског Краља, српски род!

Сложи српску браћу драгу
на свак’ дичан славан рад,
слога биће пораз врагу
а најјачи српству град.

Нек’ на српској блиста грани
братске слоге златан плод,
Боже спаси, Боже храни,
српског Краља, српски род!

Нек’ на српско ведро чело
твог не падне гнева гром,
благослови Србу село
поље, њиву, град и дом!

Кад наступе борбе дани
к’ победи му води ход,
[в’ победи ти звони ход,]
Боже спаси, Боже храни,
српског Краља, српски род!

Из мрачнога сину гроба
српске Круне нови сјај,
[српске слоге нови сјај,]
настало је ново доба,
нову срећу, Боже дај!

Краљевину српску брани
пет вековне борбе плод,
[Отаџбину српску брани
шест вековне борбе плод,]
Боже спаси, Боже храни,
моли ти се српски род!

____________________


Ó, Deus de justiça, que até hoje
tem nos livrado da desgraça,
continue ouvindo nossas vozes
e desde já seja nossa salvação.

Guie, proteja com mão forte
o barco sérvio do futuro,
Deus salve, Deus proveja
o Rei sérvio e o povo sérvio!

Una os caros irmãos sérvios
nos labores de honra e glória,
a derrota do diabo será a paz
e maior fortaleza dos sérvios.

Que no galho sérvio brilhe
o fruto áureo da paz fraterna,
Deus salve, Deus proveja
o Rei sérvio e o povo sérvio!

Que na limpa testa sérvia
você não lance o raio da ira,
abençoe a aldeia, lavoura,
campo, cidade e lar sérvios!

Quando vierem dias de luta,
guie nossa marcha à vitória,
[convoque a marcha na vitória,]
Deus salve, Deus proveja
o Rei sérvio e o povo sérvio!

Da tumba escura do filho
brilha de novo a Coroa sérvia,
[brilha de novo a paz sérvia,]
começou uma nova época,
Deus nos dê uma nova sorte!

Proteja o reino dos sérvios,
fruto de cinco séculos de luta,
[Proteja a pátria dos sérvios,
fruto de seis séculos de luta,]
Deus salve, Deus proveja,
suplica a você o povo sérvio!



O rei Pedro 1.º da Sérvia, representado num longa-metragem comercial.