Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Vesperkomenco (soneto em esperanto)


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/vesperkomenco


Mais um dos meus sonetos que escrevi diretamente em esperanto quando estava acabando o Ensino Médio. Como eu já tinha dito em postagens anteriores, até então esse era o único idioma estrangeiro que eu dominava, e como sempre gostei de fazer poesia (mas nem sempre de ler), fazia versos usando essa língua. Aliás, eu sempre achei o esperanto muito poético, porque eu já tinha lido muitos poemas de L. L. Zamenhof, o iniciador do idioma (e confesso que foi dele que herdei meu estilo bem “quadrado”), e porque a fonética e a pronúncia são realmente muito doces, parecidas com as do italiano.

Este soneto se chama “Vesperkomenco”, palavra composta de dois radicais e que significa “começo da noite”, mais exatamente a tardezinha, o anoitecer ainda com algum sol bem fraco. Como ocorre na maioria das culturas, tendo sua expressão mais célebre, acredito, no livro O pequeno príncipe de Saint-Éxupery, esse momento do dia é um dos meus favoritos, porque sempre me evocou coisas românticas, uma calma, uma paz, a impressão de que estavam sendo aliviados todos os pesos do dia. E é assim que também descrevo o crepúsculo a partir da minha casa, onde há uma natureza linda, composta de montanhas, florestas e muitos pássaros cantando. O soneto também alude brevemente à minha crença religiosa católica que eu ainda mantinha aos 17 anos de idade.

Acho provável que eu o tivesse escrito no comecinho de 2005, e não em 2004, e certamente numa época em que eu estava de férias, pois a passagem pelo “terceirão” me deixou pouco tempo e energias pra versificar em esperanto. No decorrer do ano, claro, fiz mais alguns sonetos em português, mas geralmente até mesmo, pasmem, sobre temas que eu estava estudando na escola! Pode ter sido uma forma divertida de fixar o conteúdo, pois passei direto com sucesso no vestibular de História, hehehe. Outra coisa que me faz localizá-lo em 2005, e no máximo no finzinho de janeiro ou comecinho de fevereiro, é novamente o estado de espírito que ele parece exalar. Nesse período, quase recomeçando as aulas, eu estava bem menos ansioso com relação a algumas coisas que me tinham acontecido no ano anterior, e como ainda estava de férias, podia usufruir de uma relativa calma e de um equilíbrio e clareza mentais que me proporcionaram escrever dessa forma que pode ser lida.

Abaixo estão o texto em esperanto, sem alterações desde então, e uma tradução improvisada pro português, só pra dar uma noção do conteúdo pra maioria dos leitores. Assim como fiz com outros poemas, desejo mais pra frente recitar este e outros sonetos pra postar no meu canal O Eslavo (YouTube). Boa leitura, e espero que gostem!



Vesperkomenco

Birdoj flugas super la tegmento,
La sun’ malaperas trans la montoj
Kaj, post kalkulo de ĉiuj kontoj,
Venas sur vizaĝon forta vento.

Ĉi tie, min ne ĉasas plu hontoj
Kaj malfortiĝas malbona sento,
Ĉar, laŭ konceptoj de mia gento,
Bonan ricevon havu venontoj.

Venonto estas sekvanta tago,
Kiun tute mi profiti devas
Marŝante aŭ naĝante en lago.

Mi kredas je tiu, kiu revas:
Kialo de al Dio la pago,
Al kiu niajn manojn ni levas.

____________________


Começo da noite

Pássaros voam por cima do telhado,
O Sol desaparece além dos montes
E, após ter calculado todas as contas,
Um forte vento vem sobre o rosto.

Aqui, os pudores não me caçam mais
E se enfraquece o sentimento ruim,
Pois, como dizem na minha terra,
Que seja bem acolhido quem vier.

Quem virá é o dia seguinte,
O qual devo aproveitar totalmente
Caminhando ou nadando num lago.

Eu acredito naquele que sonha:
É o motivo de retribuir a Deus,
A quem elevamos nossas mãos.




domingo, 25 de junho de 2017

Marine Le Pen celebra segundo turno


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/marine-turno2



No dia 23 de abril houve o primeiro turno das eleições presidenciais na França, e os resultados deram no segundo turno entre Emmanuel Macron (En Marche!) e Marine Le Pen (Front national). Em disputa, duas visões opostas sobre a Europa e a afluência de imigrantes: ele queria liberar mercados, reformar a União Europeia, integrando a França ainda mais a ela, e diminuir a discriminação contra os imigrantes; e ela, mais protecionismo econômico, sair do bloco europeu (o chamado “Frexit”, paralelo ao “Brexit” britânico) e reduzir drasticamente a imigração, sobretudo de muçulmanos, expulsando do país os já incluídos nas listas de vigilância. Os números foram de 24,01% pra Macron e 21,3% pra Le Pen, e se lembrarmos que François Fillon (Les Républicains, antiga UMP), de direita, obteve 20,01% dos sufrágios e Jean-Luc Mélenchon (bloco “La France insoumise”), de extrema-esquerda, 19,58%, nota-se que os franceses estão muito divididos, insatisfeitos. François Hollande não quis nem mesmo tentar a reeleição, fato inédito na Quinta República, e é a primeira vez em décadas que nem os Rep/UMP, nem o Partido Socialista, chegaram ao 2.º turno.

Via de regra, rotulam-se Marine Le Pen de “extrema-direita” e Emmanuel Macron, cujo partido ele criou ano passado apenas pra disputar essas eleições, de “centrista”. Apesar do discurso duro e por vezes xenofóbico, parece meio forçado chamar o FN de “fascista”. Mas quase todas as outras forças se uniram em torno de Macron pra derrotar o chamado “perigo” de Le Pen. Apenas o derrotado no 1.º turno Nicolas Dupont-Aignan (Debout la France) recomendou voto em Marine Le Pen no 2.º turno, enquanto os outros recomendaram Macron, nulo ou não disseram nada. Ao comemorar a passagem pra outro turno, ela fez um discurso breve pra reafirmar os valores de seu partido, anunciar sua vontade de enrijecer as fronteiras da França e não realizar qualquer conciliação com Macron, a quem considera “mais do mesmo”, o velho candidato dos bancos e continuador de Hollande (PS) e suas más políticas, dele tendo sido ministro por alguns anos.

Marion Anne Perrine Le Pen, que se fez chamar “Marine”, nasceu em 1968 e se inscreveu no FN em 1986, quando começou a militar ativamente. Sua formação e estudos em Direito não a impediram de incrementar sempre mais seu ativismo político, crescentemente aparecendo na mídia desde 2002, quando seu pai Jean-Marie concorreu em 2.º turno à Presidência da República com o vitorioso Jacques Chirac (UMP). Desde 1998 ela ocupa vários cargos públicos, é deputada europeia desde 2004 e presidente do FN desde 2011. Jean-Marie em 2007 e Marine em 2012 não conseguem ir ao 2.º turno das presidenciais, mas a votação cresce de ano a ano. E também de crise em crise, a filha se distancia cada vez mais das posições insistentemente xenofóbicas e retrógradas do pai, até que consegue fazer que o excluam do FN em 2015. Fato notório: ele não perde o cargo de presidente de honra, o que lhe conserva direitos internos.

A chegada de Marine ao 2.º turno com uma votação histórica coroou a história do partido fundado em 1972 pelo movimento Ordre nouveau, bem mais próximo do fascismo e que escolheu Jean-Marie Le Pen pra presidir o FN, já tentando lhe dar uma cara “respeitável”. Essa busca pela inserção, forçando por vezes a moderar posições, marcou o trajeto do FN até hoje, embora no essencial mantenha sua raiz nacionalista, eurocética, anti-imigração e protecionista. Marion Maréchal-Le Pen, por exemplo, é um modelo de rigidez ideológica, mas de liberalismo político e econômico.

Não apoio nem rejeito Marine Le Pen, embora eu veja muita incoerência no discurso dela (por exemplo, ela certamente teria logo se ajoelhado ao dinheiro-rei, à concorrência desleal e à velha Dona Zelite de Lula). Não tive muito tempo nos últimos anos de ler com calma o programa do FN. Eu apenas sigo de perto a política francesa, porque estudei francês por muitos anos. E sei também que meu canal O Eslavo (YouTube) tem uma ampla audiência de direita, embora ele tenha deslanchado com as legendagens comunistas. Sou progressista, mas não apoio acriticamente nem o comunismo soviético, nem o projeto dos Le Pen, e sei que as presidências de Sarkozy e Hollande estiveram entre as piores da história da França, além das de Mitterrand e Chirac, que também foram problemáticas.

Eu baixei o vídeo sem legendas desta página de notícias, e a transcrição completa em francês do discurso de Marine Le Pen está nesta página no site do Front national. Eu mesmo traduzi e legendei, usando como base o discurso escrito, e seguem abaixo a legendagem que postei no meu canal e a tradução em português:


____________________


Meus caros compatriotas,

Vocês me levaram ao segundo turno da eleição presidencial. Eu reconheço essa honra com humildade e gratidão. Quero expressar a vocês, eleitores patriotas franceses, meu agradecimento mais profundo.

Queimamos a primeira etapa que levará os franceses ao Élysée. Esse resultado é histórico. Ele põe sobre meus ombros, desde já, a responsabilidade imensa de defender a nação francesa, sua unidade, sua segurança, sua cultura, sua prosperidade e sua independência.

Ele significa também um ato de orgulho francês, de um povo que reergue a cabeça, de um povo seguro de seus valores e confiante no futuro. Todo francês percebeu que o sistema tentou de todas as formas, até as mais duvidosas, abafar o vasto debate político que a eleição deveria ter sido.

Finalmente, esse grande debate agora vai acontecer. Os franceses devem apanhar esta oportunidade histórica que raia, pois nesta eleição está em jogo a mundialização selvagem, que põe em risco nossa civilização.

A opção dos franceses é simples. Ou continuamos rumo a uma total desregulamentação, sem proteção e sem fronteiras, tendo como consequência as deslocalizações, a concorrência internacional desleal, a imigração em massa e o livre curso aos terroristas. Esse reino é o do dinheiro-rei. Ou escolhemos a França, com fronteiras que protegem nossos empregos, nosso poder de compra, nossa identidade nacional, nossa segurança.

Vocês têm então a opção pela alternância, a verdadeira. Não aquela na qual governos se sucedem sem que nada mude. A que lhes proponho é a grande alternância, a alternância fundamental, que vai pôr em marcha uma nova política, novos rostos no poder, e a renovação que vocês desejam. Claro que não é com o herdeiro de François Hollande e de todos os fracassos desses cinco anos catastróficos que a alternância tão esperada virá.

Chegou a hora de livrar o povo francês, todo o povo, lembrando os compatriotas do Ultramar, que exprimiram para comigo uma lisonjeira confiança. Chegou a hora de livrar o povo francês de elites arrogantes que querem ditar sua conduta, pois eu sou, sim, a candidata do povo.

Lanço apelo a todos os patriotas sinceros, donde quer que venham, qualquer que seja a origem e qualquer que fosse seu trajeto e seu voto no primeiro turno, a juntarem-se a mim. Convido-os a deixarem as brigas passadas, os apriorismos e os ressentimentos, para o bem do interesse superior do país.

É o essencial, realmente o essencial, que está em jogo: a sobrevivência da França. Chamo-os à unidade nacional por trás de nosso projeto de retificação. Vamos os acolher fraternalmente.

Em 8 de agosto de 1943, o general de Gaulle lembrava em Casablanca: “A grandeza de um povo só pode proceder desse povo.” Foi esse princípio que, durante os 1500 anos de sua história, deu forma à França que nós amamos. Será esse princípio que vou pôr em prática.

A união do povo francês com a qual todos sonham só se forma em torno do amor à França.

Viva o povo francês!

Viva a República!

Viva a França!



quarta-feira, 21 de junho de 2017

“Labora tero”, sertanejo em esperanto


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/laboratero


Eu adoro desde a infância esta canção sertaneja! Ela se chama Terra tombada e foi gravada em 1986 por aquela que é sem dúvida a maior dupla sertaneja de todos os tempos, Chitãozinho & Xororó. Eu me lembro que havia começado a fazer a tradução em esperanto um certo dia, mas depois a deixei alguns meses parada pra enfim retomar. De fato, o serviço foi difícil, mas acredito também que tenha sido uma das minhas versões mais bonitas. O nome em esperanto ficou Labora tero, literalmente “Terra de trabalho”, que remete ao significado de “tombar a terra”, ou seja, “arar a terra”, “trabalhar a terra”. Eu terminei de traduzir a música em 29 de julho de 2004, e quem a escreveu em português foram Carlos Cezar e José Fortuna. Vocês podem ler nesta página a letra em português, e abaixo seguem um vídeo com a música cantada e a letra em esperanto.

Ekde la infaneco mi ŝategas ĉi tiun kanzonon en la stilo “sertanejo”! Ĝi nomiĝas Terra tombada (laŭlitere “Plugita tero”) kaj estis registrita en la jaro 1986 de tiu, kiu sendube estas la plej granda duopo en stilo “sertanejo” de ĉiuj tempoj, Chitãozinho & Xororó. Mi memoras, ke mi iutage komencis fari la tradukon, sed mi poste haltis la taskon por kelkaj monatoj, ĝis kiam mi finfine reprenis ĝin. Fakte la tasko estis malfacila, sed mi kredas ankaŭ, ke ĝi estas unu el miaj plej belaj tradukoj al Esperanto. Kiel nomon en ĉi tiu lingvo mi elektis Labora tero, ĉar la ideo de “(pri)labori la teron” ligiĝas al la portugallingva dirmaniero “tombar a terra”, tio estas, “plugi la teron”. Mi finis traduki la kanzonon la 29-an de Julio 2004, kaj la komponistoj en la portugala lingvo estis Carlos Cezar kaj José Fortuna. Ĉi-paĝe vi povas legi la portugallingvan tekston, kaj ĉi-sube estas video kun la kanzona registro kaj la teksto en Esperanto.


___________________


Labora tero

1. Ĉi-aŭguste estas varme,
En la mezo de l’ sezon’.
Vidas cindron mi sur kampoj
Kaj la fumon sur la mont’.
Kultivisto plantas ĉion,
Dista la impresduon’
Pri lozanĝoj sur la tero:
Sanga estas la kolor’.
Tero labora promesas
Estontecon reflektitan.
En dormoĉambro kampara
La ruĝo surlitigita,
Kie la naskemaj semoj
El kavaĵoj aperigas
La fruktojn kun odor’ sama
De l’ beb’, kiu ĵus naskiĝas.

Rekantaĵo:
Tero labora
Varma sanktega, esperu,
Ke la semoj tuj prosperu
Kaj per floroj kovru ĝin.
Animo mia
Esperas ankaŭ la semon
Jam plantotan de la sento
Ama inter ni, virin’.

2. Tero labora kuŝinta:
Infan’ sur lulilo verda,
Buŝ’ malfermata soifas
Atendanta pluvon servan.
Vidu l’ fonton ĉe la monto,
Estas ĝi mam’ de l’ kampar’:
La akvo, lakto de l’ tero
Faras nutron por plantar’.
La ruĝaĵoj tuj verdiĝas,
Burĝono antaŭ la flor’
Kaj sem’ por la laboristo:
Manĝaĵo por lia kor’.
Sub la mortintaj folioj
La ter’ forigas la lacon
Ĉar dum la jaro denove
Ĝi renaskos nian saton.

(Rekantaĵo)



domingo, 18 de junho de 2017

Marion Le Pen envia recado em italiano


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/marion-lega


No dia 23 de abril houve o primeiro turno das eleições presidenciais na França, e o Front national (Frente Nacional) de Marine Le Pen, partido de extrema-direita, era um dos favoritos a passar pro segundo turno. Mas a preparação de uma Europa mais voltada pras bandeiras dele (controle da imigração, rejeição à União Europeia, defesa das fronteiras e da soberania nacional nos âmbitos econômico e político, conservadorismo social e tradicionalismo cultural católico) já era um trabalho feito há meses, na verdade há anos. Na linha de frente, apesar de suas discórdias com a presidenta nacional no FN, está a jovem e bela Marion Maréchal-Le Pen, neta do fundador Jean-Marie Le Pen, que aos 27 anos é a única deputada federal pela legenda e luta pra conservar a linha dura do avô, ao contrário da própria Marine.

Naquele dia, até a noite, eu não tinha legendado nada sobre a própria França (Macron e Le Pen já eram matematicamente favoritos), mas à tarde dei um refresco pra relaxar os fãs do meu canal O Eslavo (YouTube). Neste vídeo, gravado em 19 de maio de 2016, Marion fala em italiano pra apoiar os candidatos da Lega Nord (Liga Norte), outro partido italiano de extrema-direita, às eleições comunais (equivalente às municipais brasileiras e às autárquicas portuguesas) da cidade de Milão, que ocorreriam de 5 a 19 de junho de 2016. Fundada como partido no início de 1991, a Lega Nord unificou vários movimentos autonomistas setentrionais, e hoje tem traço conservador, eurocético e antiglobalista, por vezes sendo rotulada como “populista de direita”. Embora se diga de direita, adotou várias posições extremistas durante os anos, equipara-se ao Front national no âmbito europeu e tem uma identidade etnocêntrica, mas há também correntes internas que se dizem “de esquerda” por terem mais enraizamento no operariado.

Segundo a Wikipédia italiana, no final das contas, quem ganhou as eleições em Milão foi a coalizão de centro-esquerda, que contava com o Partido Democrático como principal componente. Ela conseguiu eleger Giuseppe Sala como sindaco (prefeito) e obteve a maioria das cadeiras na câmara municipal (22 só pro PD). Stefano Parisi, apoiado pela Lega Nord, ficou em segundo colocado, mas encostou no vencedor nos dois turnos. Mas no voto parlamentar, a Lega obteve o terceiro maior número, ficando atrás apenas do PD e do Forza Italia, e superando até o hoje popular Movimento Cinco Estrelas. Quanto à Marion, esse texto foi lido num papel, pelo que consta, mas sua pronúncia é muito boa, tropeçando apenas nas sílabas tônicas, em vários momentos. Esta entrevista na Itália prova que ela não fala italiano, e talvez não entende totalmente, ficando notável, sobretudo, a inabilidade da intérprete, pra qual Marion teve de repetir as últimas palavras de uma longa frase.

Eu descobri este vídeo sem legendas por acaso, enquanto procurava no Google se Marion Le Pen falava outros idiomas. Após baixá-lo, eu segui o procedimento “3 em 1”, pra vídeos em geral curtos e claros: entender sem transcrever, traduzir sem escrever e legendar com a adaptação feita na mesma hora. Seguem abaixo a legendagem, o texto em italiano, que só transcrevi depois de carregar o vídeo, e a tradução em português:


____________________


Buongiorno, amici italiani! Dalla Francia seguo sempre attentamente gli sviluppi politici del vostro paese. In questo momento, è per noi molto importante incoraggiare le forze patriotiche di tutta l’Europa, in particolare la Lega Nord, perché sia in grado di promuovere e difendere i nostri valori e la nostra identità, all’interno di tutte le istituzioni di governo. Per questo motivo raccomando i miei amici italiani a supportare la coalizione della Lega alle elezioni comunali di Milano. Se la Lega e i suoi alleati vincessero, Milano diventerebbe un’esempio per noi del Front national e per tutta l’Europa. Grazie a tutti!

____________________


Bom dia, amigos italianos! Sigo da França sempre com atenção os desdobramentos políticos de seu país. Neste momento, é muito importante pra nós encorajar as forças patriotas da Europa toda, em especial a Lega Nord, pra que esteja em condições de promover e defender os nossos valores e a nossa identidade, no interior de todas as instituições de governo. Por esse motivo, recomendo a meus amigos italianos que apoiem a coalizão da Lega para as eleições municipais de Milão. Se a Lega e seus aliados vencerem, Milão se tornará um exemplo pra nós do Front national e pra toda a Europa. Obrigada a todos!



Matteo Salvini, secretário federal (líder) da Lega Nord, e Marion Le Pen.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

“Poemfarado” (soneto em esperanto)


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/poemfarado


Como eu já falei muita coisa, e duas vezes, em postagens anteriores com meus sonetos em esperanto “Plenkreskiĝo” e “Ĉiutaga vivo”, sobre a época em que eu escrevia tais poemas na adolescência, vou aproveitar pra falar aqui hoje só sobre como eu decidia escrever os versos. Aliás, esse é exatamente o tema do soneto que apresento hoje, “Poemfarado”, palavra composta que pode ser traduzida bem literalmente como “Confecção de poemas” ou, mais livremente, como “Fazendo poemas”, que tem mais a ver com o radical far- (fazer). Esse soneto deve ser do finzinho de 2004, no máximo comecinho de 2005, e pelo tema e estado de espírito que ele reflete, deve ser bem posterior à metade do mês de dezembro de 2004.

Como está escrito nos versos, nunca escolhi lugar pra fazer poemas, e até hoje escrevo inclusive nas aulas do doutorado, quando minha atenção não é totalmente exigida. Claro que atualmente eu mais traduzo do que componho, mas de certa forma, toda tradução é uma recriação, ou seja, o esforço, conhecimento e inspiração exigidos e dispendidos são praticamente os mesmos. Mas quando eu era adolescente, não hesitava em pegar uma caneta e um caderno ou um pedaço de papel e partia pro amplo jardim da minha casa pra escrever versos. Aí tem muitos lugares pra sentar, às vezes até com mesinhas, por isso era bem mais fácil e cômodo rascunhar.

Naquela época, eu publicava o pouco que versificava em esperanto num site pessoal sobre a língua que mantive até os primeiros anos da graduação, mais ou menos. Como eu disse nas postagens anteriores, ninguém até hoje leu nem os textos iniciais nem as traduções em português, até porque o tráfego na antiga página era muito pequeno, e apenas as versões de músicas brasileiras ou estrangeiras eram mais ou menos visualizadas. Eu realmente compunha sobre coisas muito triviais ou comuns (até “adolescentes”, como diríamos hoje), o que não é usual na poesia clássica. Mas acho que o mais frutuoso era justamente a experiência de refletir sobre minha própria vida, sintetizando num espaço compacto e metrificado que é o poema tradicional (ou “parnasiano”), assim disciplinando o pensamento e o vocabulário. E isso em esperanto e em português.

Já nessa época, em meu Ensino Médio (e até antes, na verdade), a gente aprendia muito sobre poesia moderna e modernista, ou seja, que desobedecia completamente à forma e ao conteúdo etéreo. Eu de fato nunca fui muito de fazer viagens nas coisas que escrevia, mas o formato quadrado sempre foi minha especialidade. De algum jeito, eu ainda fiz parte das gerações que aprenderam que poesia tem que ter rima (pelo menos) e métrica certinha, tanto que apesar da porcaria que são hoje, até as canções atuais têm rima. E eu acabei levando isso como uma ginástica mental mesmo, e pra tentar impressionar as pessoas também. Não me arrependo disso, até porque na minha classe eu nunca passei como aquele que rabiscava qualquer coisa sob o pretexto de que “no modernismo vale tudo”.

Abaixo estão o texto em esperanto, sem alterações desde então, e uma tradução improvisada pro português, só pra dar uma noção do conteúdo pra maioria dos leitores. Assim como fiz com outros poemas, desejo mais pra frente recitar este e outros sonetos pra postar no meu canal O Eslavo (YouTube). Boa leitura, e espero que gostem!



Poemfarado

Kelkfoje mi pli bone skribas poemon
Ol laboran tekston verkitan en prozo,
Ĉu estas parolanta pri simpla rozo,
Ĉu estas skribanta sen elekti temon.

Pri beleco, ne mezuriĝas la dozo;
Poemumi kiel oni traktas gemon,
Mi ne povas plu kontroli tiun emon:
“Doktoro, mi suferas je ‘poemozo’!”

Mi ie ajn skribas, en verda korto,
La scenej’ ne gravas por poemo cela,
Sed mi plej inspiriĝas en vasta horto.

Por ke l’ ideo de l’ poem’ estu hela,
Magion devas enhavi ĉiu vorto
Elmontranta al la mond’ l’ arton plej bela.

____________________


Fazendo poemas

Às vezes escrevo melhor um poema
Do que um texto trabalhoso redigido em prosa,
Seja falando sobre uma simples rosa,
Seja escrevendo sem escolher um tema.

Em beleza, não se mede a dose;
Poetar como se trata uma pedra preciosa,
Não posso mais controlar essa propensão:
“Doutor, eu sofro de ‘poemose’!”

Escrevo em qualquer lugar, num pátio verde,
O cenário não importa a um poema ambicioso,
Mas eu me inspiro mais num grande pomar.

Para que a ideia do poema seja clara,
Cada palavra deve conter magia
Revelando ao mundo a arte mais bela.




domingo, 11 de junho de 2017

Trotsky condena Processos de Moscou


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/trotsky-moscou


Nesta breve gravação feita no México, Lev Davidovich Bronstein (Leon Trotsky), fundador do Exército Vermelho, critica do exílio, em inglês, os julgamentos teatrais favorecidos por Iosif Stalin em Moscou entre os anos de 1936 e 1938 contra supostos “espiões sabotadores” e “inimigos do povo”. Todos os antigos bolcheviques agora julgados eram acusados de colaborar com Trotsky em complôs pra derrubar Stalin e em supostas iniciativas, financiadas pelos países capitalistas, pra invadir a URSS e desalojar os bolcheviques.

Em 1940, o próprio Trotsky seria assassinado no México por Ramón Mercader, a mando de Stalin. Existe uma polêmica que associa o galo cantando ao fundo, notável no começo e no fim do filme, à passagem bíblica em que Pedro nega falsamente três vezes aos soldados romanos que não conhecia Jesus, ao fim das quais um galo cantou ao fundo. Infelizmente, a qualidade do vídeo não está muito boa, mas somente no canal de Nikolai Iulski existe a versão integral, e a partir daí eu o baixei. Pra piorar, não achei em nenhum lugar da internet qualquer transcrição da fala de Trotsky, nem sequer fragmentos. Espero que, com esta postagem, eu possa estar suprindo a lacuna.

Eu já não sou muito fluente em inglês, então transcrevê-lo falado por um ucraniano num vídeo antigo foi quase impossível, e o trabalho ficou muito lacunar. Se não fossem os seguintes especialistas, que me ajudaram em listas de e-mail de tradutores a completar a transcrição, nada teria sido possível: Derval Aquino, David Coles, Gaby Nunes, Paula Ribeiro e Rui Silva. Eu mesmo traduzi do inglês pro português, legendei o vídeo e carreguei-o no meu canal O Eslavo (YouTube). Seguem abaixo a legendagem, a transcrição em inglês e a tradução, que não sei se está toda correta, em português, cujo texto, apropriado pra leitura escrita, foi adaptado nas legendas:


____________________


Esteemed audience, you will easily understand if I begin my short address to you in my very imperfect English by addressing my warm thanks to the Mexican people and to the man who leads them with such merit and courage, President Cárdenas.

When monstrous and absurd accusations were hurled at me and my family, went my wife and myself under the lock and the key of the Norwegian government. Without being able to defend ourselves, the Mexican government opened the doors of this magnificent country and said to us: ‘Here, you can freely defend your right and your honor.’ Naturally, it is not a sympathy for myself, my ideas, which has motivated President Cárdenas, but a fidelity to his own ideas. All the more meritorious, then, is his act of democratic hospitality, so rare these days.

Stalin’s trial against me is built upon false confessions, extorted by modern inquisitorial methods, in the interest of the ruling elite. There are no crime in History more terrible, given intention and execution, than the Moscow trials of Zinovyev-Kamenev and then of Pyatakov-Radek. These trials developped not from Communism, not from Socialism, but from Stalinism, that is, from the irresponsible despotism of the bureaucracy over the people.

What is now my principle task? To reveal the truth, to show and to demonstrate that the true criminals hide under the cloak of the accusers. What will be the next step in this direction? The creation of an American, an European, and subsequently of the International Commission of Inquiry, composed of people who incontestably enjoy authority and public consideration. In confidence I undertake to present to such a Commission all my files, thousands of personal and open letters, in which the developments of my thought and my action is reflected day by day without any gaps. I have nothing to hide.

Dozens of witnesses who are abroad assess invariable facts and documents, which will shed light on the Moscow framers. The work of the commission of inquiry must terminate in a great counter-trial. A counter-trial is necessary to cleanse the atmosphere of the germs, of the seed, calumny, falsification, and frameups, whose source is Stalin’s police, the GPU, which has fallen to the level of the Nazi Gestapo.

Esteemed audience, you may have many varying attitude toward my ideas and my political activity for 40 years, but an impartial inquiry will confirm that there is not a stain on my honor both personal and political. Profoundly convinced that the right is on my side, I wholeheartedly salute the citizens of the New World.

____________________


Caros espectadores, vocês vão entender facilmente se eu começar minha breve mensagem a vocês em meu inglês muito imperfeito, enviando minha calorosa gratidão ao povo mexicano e ao homem que o comanda com tanto mérito e coragem, o presidente Cárdenas.

Ao serem lançadas monstruosas e absurdas acusações sobre mim e minha família, ficamos minha esposa e eu sob a proteção do governo norueguês. Sem podermos nos defender sozinhos, o governo mexicano abriu as portas desse magnífico país e nos disse: “Aqui vocês podem defender livremente seus direitos e sua honra.” Naturalmente, não foi uma simpatia por mim e minhas ideias que motivou o presidente Cárdenas, mas uma fidelidade a seus próprios ideais. Tão mais louvável, então, é seu ato de hospitalidade democrática, tão raro atualmente.

O julgamento de Stalin contra mim é baseado em falsas confissões, extorquidas com métodos inquisitoriais modernos, no interesse da elite governante. Não há crime mais terrível na história, em termos de intenção e execução, do que os julgamentos de Moscou contra Zinoviev e Kamenev, e depois contra Piatakov e Radek. Esses julgamentos derivam não do comunismo ou do socialismo, mas do stalinismo, isto é, do despotismo irresponsável da burocracia sobre o povo.

Qual é agora minha principal tarefa? Revelar a verdade, mostrar e provar que os verdadeiros criminosos se escondem sob o manto dos acusadores. Qual será o próximo passo nesse sentido? Criar uma Americana, uma Europeia e na sequência a Comissão Internacional de Inquérito, composta por pessoas que gozam de incontestável autoridade e estima pública. Eu me comprometo a apresentar privadamente a essa comissão todos os meus arquivos, milhares de cartas pessoais e abertas, nas quais se refletem os desdobramentos diários de meu pensamento e de minha ação, sem nenhuma lacuna. Nada tenho a esconder.

Dúzias de testemunhas no exterior estão analisando fatos e documentos incontestáveis que vão desvelar os falsos acusadores de Moscou. O trabalho da Comissão de Inquérito deve culminar num grande contrajulgamento. Um contrajulgamento é necessário para purgar a atmosfera dos germes, da podridão, calúnia, falsificação e conchavos, cujo ninho é a polícia de Stalin, a GPU, que decaiu ao nível da Gestapo nazista.

Caros espectadores, vocês podem ter posições muito variadas para com minhas ideias e minha atividade política em 40 anos, mas uma investigação imparcial vai confirmar que não há qualquer mancha em minha reputação, seja pessoal ou política. Profundamente convencido de que a verdade está comigo, saúdo calorosamente os cidadãos do Novo Mundo.



quarta-feira, 7 de junho de 2017

“Reekvidi vin” (Não dá pra te esquecer)


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/reekvidi


Eu traduzi esta canção do português pro esperanto em 30 de junho de 2004. Ela se chama Não dá pra te esquecer, foi composta por Carlos Colla e Chico Roque e se tornou conhecida em gravação da dupla sertaneja Gian & Giovani em 1992. Eu gosto muito dessa música, assim como gosto do sertanejo romântico dos anos 90 em geral. A dupla não existe mais desde 2014, e em 2017 Giovani começou um projeto musical com o cantor Rick Sollo, que também era integrante da dupla Rick & Renner. Os dois cantores já gravaram algumas músicas sob o selo Rick & Giovani, o qual, segundo eles, terá duração limitada. Eu chamei minha versão em esperanto de Reekvidi vin, literalmente “Rever você”, que são as primeiras palavras da letra, pois não traduzi literalmente a expressão “Não dá pra te esquecer”. Pela primeira vez eu mantive as mesmas vogais nas rimas das duas versões. Vocês podem ler nesta página a letra em português, e abaixo seguem um vídeo com a música cantada e a letra em esperanto.

Mi tradukis ĉi tiun kanzonon el la portugala lingvo al Esperanto la 30-an Junio 2004. Ĝi nomiĝas Não dá pra te esquecer (laŭlitere Estas neeble forgesi vin), estis komponita de Carlos Colla kaj Chico Roque kaj devenis konata per registro de la duopo Gian & Giovani (stilo “sertanejo”) en la jaro 1992. Mi tre ŝatas ĉi tiun kanzonon, same kiel la romantikan stilon “sertanejo” ĝenerale de la 1990-aj jaroj. La duopo ne plu ekzistas ekde 2014, kaj en 2017 Giovani komencis muzikan projekton kun la kantisto Rick Sollo, kiu ankaŭ apartenis al la duopo Rick & Renner. La du kantistoj jam registris kelkajn kanzonojn sub la signo Rick & Giovani, kiu, laŭ ili, havos limigitan daŭron. Mi nomis mian Esperantan version Reekvidi vin, kiuj estas la unuaj vortoj de la teksto, ĉar mi ne tradukis laŭlitere la titolon Não dá pra te esquecer. Unuafoje mi konservis la samajn vokalojn de la rimoj de la du versioj. Ĉi-paĝe vi povas legi la portugallingvan tekston, kaj ĉi-sube estas video kun la kanzona registro kaj la teksto en Esperanto.


___________________


Reekvidi vin

1. Reekvidi vin estas la nuna dev’,
Mi hodiaŭ serĉos vin tra l’ stratar’.
Ekde lasta vido pasiĝis ega temp’:
Ne kaŭzas la am’ alvenon de l’ forges’.
Kune nur kun vi seksum’ fariĝas ben’
Min portanta al la mondo de l’ ĝuec’.
Sen vi, el mia vivo forigas la kares’.
Ne kaŭzas la am’ alvenon de l’ forges’.

Rekantaĵo:
Disdonus ĉion mi por via ĉeest’.
Finiĝu jam la daŭro de l’ adiaŭ’,
Venu via vok’ iama!
Suferas laca mi dum rekonkerad’,
Kruele min turmentas la tempopas’:
Diru, do, ke mi estas ama!

2. Kune nur kun vi seksum’ fariĝas ben’
Min portanta al la mondo de l’ ĝuec’.
Sen vi, el mia vivo forigas la kares’.
Ne kaŭzas la am’ alvenon de l’ forges’.

(Rekantaĵo)



domingo, 4 de junho de 2017

“24 mila baci”, com Adriano Celentano


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/24milabaci


No dia 23 de abril, morreu Jerry Adriani, um dos ícones pop e cult da música brasileira. Quem não conhece música antiga, em especial a jovem guarda, não deve saber quem é. Mas como eu escuto jovem guarda desde criança (em CD, claro), sempre ouvi muita música dele. E como minha família tem uma parte de ascendência italiana, gostamos muito tanto das músicas em italiano que ele cantava na novela Terra Nostra da Globo (1999-2000), quanto das músicas populares italianas em geral. E esta que está no vídeo é uma que admiro desde a adolescência: Ventiquattromila baci (Vinte e quatro mil beijos), cantada por Adriano Celentano. Mas o vídeo que está legendado abaixo, só vim a conhecer há bem pouco tempo.

Quando Jerry Adriani morreu, fiquei sabendo que seu sobrenome artístico, “Adriani”, foi inspirado no rapaz do vídeo, o Adriano Celentano. Além disso, as dancinhas com a perna que Jerry fazia também foram inspiradas nele, mas em parte também em Elvis Presley, que toda essa geração dos primeiros roqueiros dos anos 60 imitou. Então, como homenagem a Jerry, bem como à minha paixão pela música italiana, postei esta pérola no meu canal O Eslavo (YouTube). Infelizmente, nos primeiros momentos, as tremidas de perna do Adriano ficaram um pouco encobertas pelas legendas, mas depois acho que dá pra continuar vendo bem o estilão do cara. E notem aos 2’15” o momento Mamonas Assassinas do baterista, lembra muito as dancinhas do Dinho, outro saudoso. A seguir, também podemos ver o barman louco do Boteco do Ratinho, os caras dançando de terno (bem Mr. Trololo mesmo) que nem doidos quase no fim da música, e enfim o cantor se dá bem e cata a loira bonita.

Adriano Celentano nasceu em 1938 e se encaixa nos gêneros rock ’n’ roll e pop. Sua biografia de filmes, álbuns, livros e aparições televisivas é tão extensa e qualitativa, que seria impossível resumi-la aqui. Ele começou sua carreira em 1956 e mesmo tendo reduzido o ritmo após décadas, nos últimos anos tem feito novas aparições na TV. A canção do vídeo, composta por Celentano, Pietro Vivarelli e Lucio Fulci, foi gravada pela primeira vez em 1961 no compacto 24 mila baci/Patatina, do cantor Little Tony (nome artístico de Antonio Ciacci), mais um que imitava Elvis Presley. No mesmo ano, Celentano e Tony concorreram com 24 mila baci no Festival de Sanremo e chegaram ao segundo lugar. Essa edição foi marcada pela ascensão dos novos gêneros modernos, que geraram críticas até do Vaticano. A cena do vídeo é uma tomada do filme Io bacio... tu baci (Eu beijo... você beija), musical de 1961 em que Celentano aparece com o grupo I Ribelli, que originalmente era sua banda de acompanhamento.

Eu mesmo traduzi e legendei o vídeo que baixei desta página. Há também uma montagem melhorada nesta página, contendo o áudio de uma gravação mais nova, que foi a primeira que escutei na vida. Pra terem uma segunda opinião, vejam também este vídeo restaurado da apresentação dele no Sanremo ’61, cantando a mesma música, com quase as mesmas mexidas de perna. Seguem abaixo a legendagem do filme original (só depois eu vi que no fim legendei erroneamente “Casa segundo”), a letra em italiano e a tradução em português:


____________________


Amami...
Ti voglio bene!

Con 24 mila baci
Oggi saprai perché l’amore
Vuole ogn’istante mille baci
Mille carezze vuole all’ora.

Con 24 mila baci
Felici corrono le ore
Di un giorno splendido perché
Ogni secondo bacio te.

Niente bugie meravigliose
Frasi d’amore appassionate
Ma solo baci che do a te
Ye, ye, ye, ye!

Con 24 mila baci
Così frenetico é l’amore,
In questo giorno di follia
Ogni minuto è tutto mio.

Niente bugie meravigliose
Frasi d’amore appassionate
Ma solo baci che do a te
Ye, ye, ye, ye!

Con 24 mila baci
Così frenetico é l’amore,
In questo giorno di follia
Ogni minuto è tutto mio.

Con 24 mila baci
Felici corrono le ore
Di un giorno splendido perché
Con 24 mila baci
Tu m’hai portato alla follia.
Con 24 mila baci
Ogni secondo è tutto mio.
Con 24 mila baci...

____________________


Me ame,
Te quero bem!

Com 24 mil beijos você vai
Saber hoje por que o amor
Quer mil beijos todo instante
E mil carícias a cada hora.

Com 24 mil beijos
Correm felizes as horas
De um dia esplêndido porque
Te beijo a cada segundo.

Nem mentiras mirabolantes
Nem frases de amor melosas
Mas só beijos dou a você
Iê, iê, iê, iê!

Com 24 mil beijos
O amor é tão frenético,
E neste dia de loucura
Cada minuto é todo meu.

Nem mentiras mirabolantes
Nem frases de amor melosas
Mas só beijos dou a você
Iê, iê, iê, iê!

Com 24 mil beijos
O amor é tão frenético
E neste dia de loucura
Cada minuto é todo meu.

Com 24 mil beijos
Correm felizes as horas
De um dia esplêndido porque
Com 24 mil beijos
Você me levou à loucura.
Com 24 mil beijos
Cada segundo é todo meu.
Com 24 mil beijos...