Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 30 de julho de 2017

Московские окна (Janelas moscovitas)


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/moskovskie


Eu descobri esta linda canção quando legendei um vídeo de Putin “tocando” piano na China. Na ocasião, ele dedilhou parte da melodia numa casa que os chefes de Estado usam pra receber visitas estrangeiras. Ela se chama “Московские окна” (Moskovskie okna), As janelas moscovitas, e faz referência ao fascínio que muitos sentiam na capital da URSS ao admirar as janelas iluminadas dos prédios à noite. Embora parecessem algo impessoal, por trás de cada uma se escondiam vidas (pessoas, famílias, trajetórias etc.), algo fascinante especialmente pra quem saía do campo e ia se aventurar numa cidade em crescimento. A música foi composta em 1956 por Mikhail Matusovski (letra) e Tikhon Khrennikov (melodia), e no mês passado eu postei no meu canal O Eslavo (YouTube) duas versões legendadas: uma com o artista soviético azerbaijano Muslim Magomaiev, e outra com a banda soviética bielo-russa Pesniary.

É interessante como os arranjos modernos e ocidentalizados, sejam mais clássicos e cheirando a jazz ou mais próximos do pop e até meio bossa nova, contrastam com as canções de propaganda dos anos 30 e 40, sob Stalin, que pareciam melodias folclóricas retrabalhadas. Pode-se pensar ainda que em 1956 tinha início o “degelo” soviético, ou seja, a busca por extinguir os traços mais autoritários do regime staliniano, e se aceitava gravar músicas com descrições subjetivas, sobre temas urbanos, não partidários etc., agora que a URSS realmente se tornava uma sociedade citadina e razoavelmente desenvolvida, consolidando as radicais mudanças no modo de vida das décadas anteriores.

O primeiro vídeo é um excerto da Avtorski vecher (Noite do autor), espetáculo dedicado às canções de certo compositor, gravada em 1973 pra Khrennikov. Magomaiev aí faz barítono sobre o homem que gosta das iluminadas janelas dos prédios de Moscou, ou seja, que não admira nem faz serenata à moça “esperando na janela”, mas às próprias janelas... Segundo o youtuber que pôs o vídeo sem legendas, ele mesmo tirou do site pessoal de Magomaiev, que tem muito mais informações sobre a vida e carreira do cantor. O segundo vídeo é uma das muitas apresentações, com um público bem controlado, feitas com música nacional-popular na Sala das Colunas da Casa dos Sindicatos, em Moscou, nos anos 70 e 80. Trata-se da banda Pesniary, composta por bielo-russos e liderada pelo bigodudo Vladimir Muliavin, num show de 1976, cujo vídeo sem legendas eu baixei desta página.

Muslim Magometovich Magomaiev (1942-2008) nasceu em Baku, capital do Azerbaijão, numa família com várias gerações de músicos e artistas, tendo o pai morrido na 2.ª Guerra Mundial. Fez estudos em conservatório musical e nos anos 60 começou a embalar sua carreira, tendo inclusive se apresentado no exterior, não sem chiados da emigração anticomunista. Foi condecorado Artista Popular da URSS (1973), Artista Popular da RSS do Azerbaijão (1971) e com a Ordem da Honra (2002) pelo próprio Putin. Em 1998 encerrou voluntariamente a carreira, tendo se dedicado à pintura e a correspondências até morrer do coração. A banda bielo-russa Pesniary (algo como “cancioneiros”) foi fundada em Minsk, em 1969, pelo cantor, guitarrista, compositor e músico Vladimir Georgievich Muliavin (1941-2003), que foi condecorado Artista Popular da URSS em 1991. Tendo raízes na música tradicional de Belarus, mas também se dedicando a variantes do pop, rock e folk, a banda foi muito famosa, ganhou muitos prêmios e participou de muitos filmes, até se dissolver em 1998. Ela se enraizou na memória dos bielo-russos e atualmente pelo menos cinco bandas reivindicam sua herança e têm “Pesniary” em seu nome, tocando ainda suas canções. Atualmente a posse comercial da marca “Pesniary” pertence a um grupo musical estatal.

Mikhail Lvovich Matusovski (1915-90) e Tikhon Nikolaievich Khrennikov (1913-2007) foram um poeta-letrista e um pianista soviéticos de família russa, muito famosos, reconhecidos e condecorados durante a existência da URSS (Khrennikov tornou-se Artista Popular da RSFS da Rússia em 1954 e da URSS em 1963). Fiéis ao regime comunista, ambos entraram no partido logo após a Segunda Guerra e levaram humildemente os últimos anos de suas vidas. Eu mesmo traduzi e legendei os dois vídeos, tendo ainda recortado o novo enquadramento das imagens. Existem pelo menos duas versões desta letra, por motivos que desconheço, cada uma cantada nos dois vídeos, e pra tentar padronizá-las, utilizei duas transcrições incompletas, uma aqui e outra aqui. Seguem abaixo as duas legendagens, a letra em russo e a tradução em português, ambos os textos com notas que indicam as diferenças na versão dos Pesniary:




____________________


Вот опять небес темнеет высь,
Вот и окна в сумраке зажглись.

2x:
Здесь живут мои друзья,
И, дыханье затая,
В ночные окна
Вглядываюсь я.

Я могу под окнами мечтать,
Я могу, как книги, их читать.

2x:
И, заветный свет храня, (*)
И волнуя, и маня, (**)
Они, как люди,
Смотрят на меня.

(*) Na versão dos Pesniary: “И, заветный час храня”.
(**) Na versão dos Pesniary: “И волнуясь, и маня”.

(*) Я как в годы прежние опять
Под окном твоим готов стоять,

2x:
И под свет его лучей
Я всегда спешу быстрей,
Как на свиданье
В юности моей.

(*) Estas duas próximas estrofes não são cantadas por Magomaiev.

Я любуюсь вами по ночам,
Я желаю, окна, счастья вам...

(*) 2x:
Он мне дорог с давних лет,
И его светлее нет –
Московских окон
Негасимый свет.

(*) Esta estrofe é pulada pelos Pesniary.

Он мне дорог с давних лет,
И его яснее нет –
Московских окон
Негасимый свет.

____________________


O alto dos céus escurece de novo,
E as janelas acenderam no escuro.

2x:
Aqui vivem meus amigos,
E prendendo o ar,
As janelas noturnas
Eu fico olhando.

Posso sonhar sob as janelas,
Posso lê-las como livros.

2x:
E guardando a cara luz, (*)
Comovendo, seduzindo, (**)
Elas, como pessoas,
Olham para mim.

(*) Na versão dos Pesniary: “E mantendo o caro tempo”.
(**) Na versão dos Pesniary: “Tremulando, seduzindo”.

(*) E como outros anos de novo
Me ponho a ficar sob sua janela,

2x:
E sob a luz de seus raios
Sempre corro apressado,
Como a um encontro
Na minha juventude.

(*) Estas duas próximas estrofes não são cantadas por Magomaiev.

Admiro vocês toda noite,
Desejo-lhes, janelas, felicidade...

(*) 2x:
Gosto dela há muitos anos,
Ninguém brilha mais que ela:
Das janelas moscovitas
A luz inextinguível.

(*) Esta estrofe é pulada pelos Pesniary.

Gosto dela há muitos anos,
Nada clareia mais que ela:
Das janelas moscovitas
A luz inextinguível.