Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 4 de setembro de 2016

Я уже устал (Já cansei), música russa


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/cansei


Mais um vídeo mara com as meninas russas do canal YouTube “3/4”, nome que talvez seja referência ao fato delas fazerem um trio e aludindo ao compasso musical ternário. Elas afirmam postar os vídeos como uma iniciativa pessoal, quando resolvem cantar e gravar alguma coisa e então postar na rede, sem grandes pretensões. Quando elas criaram o canal, em 2013, elas afirmavam ter 18 anos. Também apareceram em outra postagem mais antiga aqui do blog.

Esta música popular se chama “Я уже устал” (Ia uzhe ustal), Já estou cansado ou Já cansei, e foi composta pelo artista russo Sergei Trofimov, que atua sob o pseudônimo de Trofim. Ela faz referências claras à fé cristã e à ideia de vida após a morte, mas pode ser expandida para a compreensão de outras religiões, bem como constitui uma linda peça ecumênica, pois não há menção a elementos específicos do catolicismo, ortodoxia ou protestantismo. Acho até que mereceria alguma difusão nos meios religiosos jovens ou revivalistas, ou mesmo uma tradução poética para o português.

Sergei Viacheslavovich Trofimov (Trofim) nasceu em Moscou em 1966 e desde menino tem formação musical e artística, geralmente levada na própria capital nacional. Teve outras profissões e já cantou em igreja, mas deslanchou mesmo cantando e compondo rock, pop, blues, reggae, canções populares e hits para outros artistas. Ganhou muitos prêmios, inclusive o título de Artista Emérito da Federação Russa em 2011, e colaborou em álbuns com vários astros e estrelas do país. Lançou seu primeiro álbum em 1995 (Aristokratia pomoiki – 1), embora tivesse um não editado em 1993 (Takaia ranniaia vesna), e também é ator, toca guitarra, violão e piano. Desde 2001 é membro da União dos Escritores da Rússia e hoje apoia publicamente toda a política interna e externa do presidente Putin, inclusive sua atuação na Ucrânia e Crimeia. Seu site pessoal tem biografia, fotos, músicas, fã-clubes, fatos da carreira, avisos de próximos shows e dados para contato.

É gostosa a pronúncia do russo delas e sua voz aconchegante. O vídeo sem legendas foi postado no canal delas em 2014 e tirei de uma página de música a letra em russo, mas ela também segue abaixo do vídeo legendado, junto com a tradução. A tradução literal ficou com versos muito compridos para pôr na legenda, então no vídeo encurtei bem, mas mantendo o sentido. Como as outras legendagens, também postei esta no meu canal O Eslavo no YouTube:


____________________


1. Я уже устал, от распада и тлена,
Хочется творить, каждый день по весне,
Радугою выкрасить серые стены,
Чтобы белый свет не терялся в окне.
Я хочу любить, разве это так сложно?
Видеть вместо масок доверчивость лиц,
И тогда наверное станет возможным,
Выучиться жить у деревьев и птиц.

Припев:
Может я останусь, может встречу старость,
Если перестану, жить кое-как,
И пойму однажды, как же было важно
Сделать к небу по земле, первый шаг.

2. Всё-таки весна, это чудо от Бога,
Тайна мироздания в улыбке Творца,
А земная жизнь это просто дорога,
Только долгий путь от креста до венца.
И в конце пути ощущенье свободы
От того, что там где рождается вновь.
За меня дурного, над всем небосводом.
Тело держат гвозди, а душу любовь.

(Припев)

____________________


1. Já cansei da queda e corrupção,
Quero criar por toda a primavera,
Pintar de arco-íris muros negros
Pra luz branca não sair pela janela.
Quero amar, será tão complicado?
Não ver máscaras, mas rostos confiantes,
E talvez então seja possível
Saber viver com as árvores e pássaros.

Refrão:
Talvez eu persista, talvez fique velho,
Se desistir, vivo de forma capenga,
E um dia entendo como era importante
Dar pela Terra o primeiro passo ao céu.

2. No entanto é primavera, milagre divino,
Segredo do Universo no rir do Criador,
E a vida na Terra é só um caminho,
Só uma longa via da cruz à coroa.
E no final a gente se sente livre
Daquilo que espera o recém-nascido.
Atrás de mim o mal, sobre tudo o céu.
Pregos sustêm o corpo, e o amor a alma.

(Refrão)