Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

20 de dezembro de 2017

’O surdato ’nnammurato (duas versões)


Link curto para esta postagem: fishuk.cc/surdato


Esta é uma canção que conheço desde a adolescência, da qual ela fez parte, porque integrava a trilha sonora da novela Terra nostra (1999-2000) da TV Globo, uma época gostosa em que as novelas “italianas macarrônicas” de imigrantes ainda faziam sucesso. Ela se chama ’O surdato ’nnammurato (O soldado apaixonado), que seria em italiano padrão Il soldato innamorato, mas na verdade é cantada em napolitano, um dos “dialetos” falados no sul da Bota. “Dialeto”, porque não há consenso sobre seu caráter de língua independente: os próprios italianos chamam assim, mas o napolitano tem muitas diferenças que dificultam a compreensão pra quem só estudou o padrão toscano-florentino. Uma das músicas napolitanas mais famosas, datada de 1915, tem letra do poeta Aniello Califano e melodia do musicista Enrico Cannio, entrou pra cultura popular e foi gravada por muitos artistas italianos de renome.

O primeiro vídeo é cantado por Massimo Ranieri, pseudônimo do napolitano Giovanni Calone (n. 1951), cantor, ator, apresentador e diretor teatral ainda ativo no pop, piano rock, canção napolitana e música leve. Um dos maiores vendedores italianos de disco no mundo, gravou seu primeiro álbum ao vivo ’O surdato ’nnammurato em 1972, mas pelo que consta no YouTube, esta apresentação é do mesmo ano, no programa de TV Canzonissima, existente na RAI de 1956 a 1975. No Brasil, ’O surdato ’nnammurato ficou conhecida na trilha sonora de Terra nostra, com a voz do cantor Netinho, rara vez em que não gravou axé. Pros jovens que não o conhecem, ele fez muito sucesso nos carnavais e em Salvador com músicas como Mila (“mil e uma noites de amor com você...”) e Total (“a ti prefiro uma cerveja...”), e a segunda metade dos anos 90 foi o ápice de sua carreira solo. Infelizmente, há alguns anos, ele teve problemas de saúde por causa de anabolizantes, mas ainda está vivo, pra nossa alegria.

Acho que a linda descrição na Wikipédia em napolitano diz tudo: ’A canzone parla ’e nu surdato luntano ’a l’ammore sujo, pecchè stà ’o fronte, a cumbattere duranne ’a primma guerra munniale (A canção fala de um soldado distante de seu amor, porque está no front combatendo durante a 1.ª Guerra Mundial). Califano (1870-1919) é autor de muitas outras letras napolitanas, e teve o privilégio de uma difícil publicação do Surdato em maio de 1915, em plenos combates. O pianista Cannio (1874-1949), tendo sempre vivido em Nápoles, também compôs muitas outras melodias regionais e foi reconhecido após a morte por sua ampla contribuição.

O napolitano, pra quem entende italiano, soa familiar, mas confesso uma coisa: acho uma das línguas mais bonitas do mundo, talvez por causa das reduções vocálicas em sílabas átonas, principalmente no fim da palavra. A sonoridade fica, assim, muito próxima da do romeno, outra língua que me agrada. Podem ver que, como um processo natural também ocorrente em vários falares brasileiros, o L antes de consoante por vezes vira R (rotacismo), e a vogal átona se reduz: soldatosordatosurdato. Outro fenômeno que permite versos mais curtos é a elisão, com apóstrofo, de consoantes iniciais: a preposição de, por exemplo, vira ’e, e os artigos lo e la, ’o e ’a.

Eu não sei napolitano, então obviamente comparei várias traduções em italiano padrão. Uma delas, que acho boa, está nesta página. Pra traduzir, também cotejei com a tradução literal que a Wikipédia em alemão oferece (traduções alemãs costumam ser precisas). Eu baixei o vídeo de Ranieri desta página, e apenas traduzi, legendei e cortei o enquadramento. Quanto ao Netinho, baixei o áudio desta página, tendo eu mesmo depois montado e legendado o vídeo: vejam-no duas vezes, lendo uma legenda a cada vez!

Se vocês procurarem “netinho o surdato nnamurato” no YouTube, vão achar alguns vídeos em que ele aparece no Faustão cantando junto à Maria Fernanda Candido, de cuja personagem essa música era tema em Terra nostra. Como a novela estava bombando, Netinho conseguiu o feito inédito de aparecer dois domingos seguidos no Faustão. Eu postei as duas legendagens no meu canal Eslavo (YouTube) e elas seguem abaixo, com a letra em napolitano e a tradução em português:




____________________


1. Staje luntana da stu core,
A te volo cu ’o penziero:
Niente voglio e niente spero
Ca tenerte sempe a fianco a me!
Si’ sicura ’e chist’ammore
Comm’i’ so’ sicuro ’e te...

Riturnello:
Oje vita, oje vita mia...
Oje core ’e chistu core...
Si’ stata ’o primmo ammore...
E ’o primmo e ll’ùrdemo sarraje pe’ me!

2. Quanta notte nun te veco,
Nun te sento ’int’a sti bbracce,
Nun te vaso chesta faccia,
Nun t’astregno forte ’mbraccio a me?!
Ma, scetánnome ’a sti suonne,
Mme faje chiagnere pe’ te...

(Riturnello)

3. Scrive sempe e sta’ cuntenta:
Io nun penzo che a te sola...
Nu penziero mme cunzola,
Ca tu pienze sulamente a me...
’A cchiù bella ’e tutt’’e bbelle,
Nun è maje cchiù bella ’e te!

(Riturnello 3x)

____________________


1. Você está longe deste coração,
Voo até você em pensamento:
Eu quero e espero apenas que
Você sempre fique a meu lado!
Você confia neste amor
Como confio em você...

Refrão:
Oh, vida, oh, vida minha...
Oh, coração deste coração...
Você foi meu primeiro amor...
Primeiro e último será para mim!

2. Quantas noites não te vejo,
Não te sinto entre estes braços,
Não te beijo este rosto,
Não te abraço forte em mim?!
Mas despertar destes sonhos
Me faz chorar por você...

(Refrão)

3. Na carta você sempre está feliz:
E eu penso somente em você...
Um pensamento me consola,
Que você só pensa em mim...
A mais bela de todas as belas
Nunca é mais bonita que você!

(Refrão 3x)