Augusta (animação húngara, C. Varga)


Link curto pra esta postagem: fishuk.cc/auguszta


Como presente de Natal a meu velho público, uma das pérolas raras que só conhece quem viveu muita coisa! Em 1998-99, quando eu era criança, passava na extinta TVE um programinha com animações importadas, Desenhando, no fim da manhã e no começo da noite. Algumas eram dubladas, mas outras dependiam apenas da parte visual pro entendimento (tipo Pingu, mas esse não passava na ocasião), como Auguszta (ou “Augusta”), cuja origem eu nunca soube. No fim de 2020 descobri que era húngara, do começo dos anos 80, e que foi criada pelo animador Csaba Varga.

O mais bizarro é que a criatura feminina de massinha não só tem uma voz esquisita, como também se envolve em situações muitas vezes beirando o humor negro e tá sempre zen, apesar de ocorrerem as maiores cagadas! Como eu disse, pra curtir a animação não é preciso saber línguas estrangeiras, a não ser que se queira entender os créditos. Espero que você tenha achado engraçado, mesmo com passagens meio nojentinhas... e que outros brasileiros fascinados pelo antigo Leste europeu também deem algumas risadas!

Csaba Varga (“tchóbó vórgó”, 1945-2015) foi inicialmente professor de matemática, mas fez carreira como diretor de cinema e animação e escritor. Embora também tivesse realizado pesquisas linguísticas, a validade científica desses trabalhos é contestada. Ele fez sua primeira animação em 1970 e seu primeiro longa-metragem em 1977. Muito premiado, Varga filmou a maioria dos episódios de Auguszta durante os anos 80, sobretudo na primeira metade, e começo dos 90.

Em 2020 eu tinha postado no meu extinto YouTube todos os episódios disponíveis na internet com os títulos em húngaro e sua tradução. Como este é um material muito raro, e como minha conta gratuita do BitChute não permitia criar um número suficiente de playlists pra que os vídeos pudessem todos ser vistos em sequência, todos os dados seguem aqui, não necessariamente em ordem cronológica. Só acho que o episódio “Augusta fazendo almoço” surgiu primeiro, por causa do estilo mais tosco e da diferença gráfica em relação aos demais.


Az ebéd/Kedvesem főz (Augusta fazendo almoço)


Auguszta etet (Augusta dando comida)


Auguszta szépitkezik (Augusta fazendo a beleza)


Auguszta csókja (Augusta beijando)


Auguszta szerelmeslevelet ír (Augusta escreve uma carta de amor)


Auguszta altat (Augusta põe pra dormir)


Auguszta fogyókúrázik (Augusta fazendo dieta)


Auguszta vendégei (Augusta recebe visitas)


Auguszta beteget ápol (Augusta cuidando de um doente)


Auguszta és az egér (Augusta e o rato/caçando um rato)


Auguszta a parafenomén (Augusta, a paranormal/se torna paranormal)


Auguszta és a kutya (Augusta e o cachorro/adota um cãozinho)
O mais ownnn de todos, na minha opinião, rs.